billie holiday

Billie Holiday é reconhecida como a maior intérprete que o jazz já produziu. Com interpretações intensas e com sentimento encantou o público e mudou a arte dos vocais para sempre. Mais de meio século depois de sua morte é difícil acreditar que as vocalistas de jazz antes de seu surgimento raramente personalizavam suas canções; na verdade, apenas as cantoras de blues como Bessie Smith e Ma Rainey davam a impressão de que tinham vivido o que estavam cantando. Billie Holiday fez a leitura desta tradição do blues e revolucionou o jazz e o pop tradicional, rasgando a tradição de décadas se recusou a comprometer sua arte. Em sua autobiografia, ela admitiu que sempre quis ser uma cantora como Bessie Smith e ter o sentimento de Louis Armstrong, e que muitas vezes tentou cantar como um trompete. mas, na verdade, seu estilo era praticamente ela própria. A tragédia pessoal e as drogas marcaram a sua vida. Mas todo o lixo que ela viveu era transformado pelo seu canto. Surras, prisões, droga pesada, mais o drama de uma cantora negra naquele tempo, quando muitas vezes nos hotéis onde se hospedava, no auge da carreira, era ‘convidada’ a subir pelo elevador de serviço para que não se misturasse com os brancos. Tudo isso foi transformado em interpretações históricas. Quando se ouve Billie cantar, sente-se que ela está contando sua história. Era linda, louca, sexy e livre. Billie é a minha deusa.

Com seu estilo brilhando em cada gravação, a sua perícia técnica também se destacou em comparação à grande maioria de seus contemporâneos. Muitas vezes entediada e cansada das velhas canções que ela era forçada a gravar no início de sua carreira, Billie brincava com a melodia e rejuvenescia as canções com harmonias emprestadas de seus instrumentistas favoritos, Louis Armstrong e Lester Young. A sua notória vida privada com uma série de relações abusivas, dependência de substâncias químicas e períodos de depressão, sem dúvida, ajudaram seu status lendário. ‘Lover Man’, ‘Don't Explain’, ‘Strange Fruit’ e sua própria composição ‘God Bless the Child’, que versa sobre a pobreza, estão entre os seus melhores desempenhos e permanecem entre as apresentações mais sensíveis já registradas. Mais do que a capacidade técnica, mais do que a pureza da voz, o que fez Billie Holiday uma das melhores vocalistas do século foi o seu temperamento implacavelmente individualista.

    

No jazz club 'Pod's and Jerry's' no Harlem (1931) e com seu cão Mister (1946)

A vida caótica de Billie Holiday, supostamente, começou em Baltimore quando ela nasceu como Eleanora Fagan Gough. Seu pai, Clarence Holiday, foi um adolescente guitarrista de jazz que mais tarde tocou na Orquestra de Fletcher Henderson. Sua mãe também foi uma jovem adolescente, e se por causa de inexperiência ou negligência, muitas vezes deixava a filha com parentes indiferentes. Billie foi expulsa da escola católica com 10 anos, depois que admitiu ter sido estuprada, e condenada a ficar presa até a idade adulta foi liberada depois de dois anos por um amigo da família. Com a mãe, ela se mudou em 1927, primeiro para New Jersey e, logo depois para o Brooklyn. Em New York, Billie ajudava a mãe como empregada doméstica, mas logo começou a se prostituir para ter uma renda adicional. E já cantava em clubes do Harlem desde 1930. Teve um pouco de publicidade no início de 1933, quando o produtor e caçador de talentos John Hammond, também no início de uma carreira legendária, escreveu sobre ela em uma coluna para o mais antigo jornal sobre música já existente, o ‘Melody Maker’, do Reino Unido, e trouxe Benny Goodman a uma de suas apresentações. Depois de gravar uma demo na Columbia Studios, Billie se juntou ao pequeno grupo de Goodman para fazer sua estréia comercial com a música ‘Your Mother's Son-In-Law’.

Apesar de não voltar ao estúdio por mais de um ano, Billie passou 1934 galgando os degraus da competitiva cena dos bares de New York. No início de 1935, ela fez sua estréia no Teatro Apollo, e apareceu em um filme com Duke Ellington. Durante a última metade de 1935, finalmente entrou em um estúdio novamente e gravou quatro sessões. Com uma banda supervisionada pelo pianista Teddy Wilson, ela gravou uma série de canções obscuras e esquecíveis da Tin Pan Alley, nome dado à editora de música de New York e seus compositores que dominaram a música popular dos Estados Unidos no final do século 19 e início do século 20. Em outras palavras, músicas disponíveis apenas para uma banda obscura de afroamericanos dos anos 30. Durante a era do swing, as editoras de música mantinham as melhores músicas estritamente nas mãos de orquestras populares e cantores brancos. Apesar da qualidade pobre das canções, Billie energizou essas canções.

    

com Ella Fitzgerald no nightclub 'Bop City' de New York (1947)
e com Sarah Vaughn, Louis Armstrong e seu amigo Howard Dennis (1950)

No final de 1937, gravou vários números com um pequeno grupo, mais uma descoberta de John Hammond, a orquestra de Count Basie. O saxofonista tenor Lester Young, que tinha conhecido brevemente Billie alguns anos antes, e o trompetista Buck Clayton se tornaram seus parceiros. E juntos gravaram o seu melhor trabalho e Billie deu o apelido de ‘Pres’ a Young, enquanto ele a apelidou de ‘Lady Day’ por sua elegância. Na primavera de 1937, ela começou a excursionar com Basie como o complemento feminino de seu vocalista masculino, Jimmy Rushing. A associação durou menos de um ano. Embora oficialmente ela tenha sido despedida da banda por ser temperamental e pouco confiável, a verdade é que o alto escalão do mundo editorial ordenou a ação depois que ela se recusou a cantar clássicos de blues dos anos 20.

Menos de um mês depois de deixar Basie, ela foi contratada por Artie Shaw, um dos primeiros exemplos de uma mulher negra que apareceu com um grupo branco. Apesar do apoio contínuo de toda a banda, no entanto, promotores e patrocinadores de rádio logo começaram a contestar Billie, com base em seu estilo de cantar pouco ortodoxa, e também por ser negra. Após uma série de indignidades Billie deixou a banda com desgosto. Mais uma vez, a sua percepção foi valiosa, a maior liberdade lhe permitiu dar um show em um novo clube chamado ‘Café Society’, a primeira boate popular com um público inter-racial. Lá, Billie Holiday aprendeu a canção que iria catapultar sua carreira para um novo nível: ‘Strange Fruit’. ‘Strange Fruit’ é uma canção que condena o racismo americano, especialmente o linchamento de afro-americanos que ocorreu principalmente no sul dos Estados Unidos, mas também em outras regiões do país. ‘Strange Fruit’ foi composta como um poema, escrito por Abel Meeropol, um professor judeu de colégio do Bronx, sobre o linchamento de dois homens negros. Ele a publicou sob o pseudônimo de Lewis Allan. Abel Meeropol e sua esposa adotaram, em 1957, Robert e Michael, filhos de Julius e Ethel Rosenberg, acusados e condenados por espionagem e executados pelo governo dos Estados Unidos.

    

com Miles Davis em New York (1958) e com o lider de orquestra Ray Ellis (1958)

Embora Billie inicialmente manifestasse dúvidas sobre a inclusão de tal música em seu repertório, ela o fez confiando em seus poderes de sutileza. E ‘Strange Fruit’ logo se tornou o destaque em suas apresentações e foi gravada. Uma vez liberada, ‘Strange Fruit’ foi proibida por muitas estações de rádio. Billie continuou a gravar e atingiu novamente grande sucesso com a sua mais famosa composição de 1941, ‘God Bless the Child’ e em 1944 com ‘Lover Man’, uma canção escrita especialmente para ela e seu terceiro grande hit. Billie logo se tornou prioridade para a ‘Decca Records’, ganhando o direito de material musical de alta qualidade e seções de cordas de luxo para suas gravações. Apesar de estar no alto da popularidade, a vida emocional de Billie começou um período turbulento. Já fortemente viciada em álcool e maconha, começou com o ópio com seu primeiro marido, Johnnie Monroe. O casamento não durou, e o vício na heroína veio com o segundo casamento com o trompetista Joe Guy. A morte de sua mãe a afetou profundamente, e em 1947 ela foi presa por posse de heroína e condenada a oito meses de prisão. Infelizmente, os problemas continuaram depois de sua libertação. As drogas tornaram impossíveis as suas apresentações. Atormentada ela seguiu em frente. Embora os estragos de uma vida dura estivessem refletidos em sua voz, muitas das gravações de Billie doa anos 50 são tão intensas e belas quanto sua obra clássica.

Em 1954, Billie excursionou pela Europa com grande sucesso, e sua autobiografia de 1956 trouxe ainda mais notoriedade. Ela fez sua última grande aparição, em 1957, na televisão em um especial com Ben Webster, Lester Young e Coleman Hawkins dando-lhe apoio. Durante seu último ano, ela fez mais duas apresentações na Europa antes de cair doente do coração e doença hepática em 1959. E foi presa por posse de heroína em seu leito de morte. Morreu no mesmo ano. O filme ‘Lady Sings the Blues’ de 1972 interpretado por Diana Ross ilumina a sua vida trágica e lhe deu muitos fãs de novas gerações.

Lady Day: The Complete Billie Holiday on Columbia (1933-1944)

Lady Day: The Complete Billie Holiday on Columbia (1933-1944)

CD 01    CD 02    CD 03    CD 04    CD 05
CD 06    CD 07    CD 08    CD 09    CD 10

Tracklist CD 1
01. Your Mother's Son-in-Law 02. Riffin' the Scotch 03. I Wished on the Moon 04. What a Little Moonlight Can Do 05. Miss Brown to You 06. Sunbonnet Blue (And a Yellow Straw Hat) 07. What a Night,What a Moon,What a Girl 08. I'm Painting the Town Red 09. It's Too Hot for Words 10. Twenty Four Hours a Day 11. Yankee Doodle Never Went to Town 12. Eeny Meeny Meine Mo 13. If You Were Mine 14. These'n' That'n' Those 15. You Let me Down 16. Spreadin' Rhythm Around 17. Life Begins When You Were in Love 18. It's Like Reaching for the Moon 19. These Fooloish Things 20. I Cried for You 21. Guess Who 22. Did I Remember 23. No Regrets 24. Summertime 25. Billie's Blues

Tracklist CD 2
01. A Fine Romance 02. I Can't Pretend 03. One,Two Button,Your Shoe 04. Let's Call a Heart, a Heart 05. Easy to Love 06. With Thee I Swing 07. The Way You Look Tonight 08. Who Loves You 09. Pennies from Heaven 10. That's Life I Guess 11. I Can't Give You anything, But Love (Baby) 12. One Never Knows, Does One 13 .I Got my Love to Keep Me Warm 14. If my Heart Could Only Talk 15. Please Keep Me in Your dreams 16. He Ain't Got Rhythm 17. This Year's Kisses 18. Why Was I Born 19. I Must Have That Man 20. The That I'm In 21. You Showed the Way 22. Sentimental and Melancholy 23. My Last Affair

Tracklist CD 3
01. Carelessly 02. How Could You 03. Moanin' Low 04. Where Is The Sun 05. Let's Call the Whole Thing Off 06. They Can't Take That Away From Me 07. Don't Know If I'm Comin' Or Goin' 08. Sun Showers 09. Yours and Mine 10. I'll Get By 11. Mean to Me 12. Foolin' Myself 13. Easy Living 14. I'll Never Be the Same 15. Me,Myself and I 16. A Sailboat in the Moonlight 17. Born to love 18. Without Your Love 19. Getting Some Fun Out of Life 20. Who Wants Love 21. Travellin' All Alone 22. He's Funny That Way

Tracklist CD 4
01. Nice Work if You Can Get It 02. Things Are Looking Up 03. My Man 04. Can't Help Lovin'Dat Man 05. My First Impression of You 06. When You're Smiling 07. I Can't Believe That You're in Love With Me 08. If Dreams Come True 09. Now They Call It Swing 10. On the Sentimental Side 11. Back in Your Own Backyard 12. When a Woman Loves a Man 13. You Go to My Head 14. The Moon Looks Down and Laughs 15. If I Were You 16. Forget If You Can 17. Having Myself a Time 18. Says My Heart 19. I Wish I Had You 20. I'm Gonna Lock My Heart (And Throw Away the Key) 21. The Very Thought of You 22. I Can't Get Started 23 I've Got a Date With a Dream 24. You Can't Be Mine

Tracklist CD 5
01. Everybody's Laughing 02. Here it's Tomorrow Again 03. Say it with a Kiss 04. April in my Heart 05. I'll Never Fail You 06. They Say 07. You're So Deasirable 08. You're Gonna See a Lot of Me 09. Hello My Darling 10. Let's Dream in the Moonlight 11. That's All I Ask of You 12. Dream of Life 13. What Shall I Say 14. It's Easy to Blame the Weather 15. More than you Know 16. Sugar 17. You're Too Lovely to Last 18. Under a Blue Jungle Moon 19. Everything's Happens for the Best 20. Why Did I Alway Depend on You 21. Long Gone Blues

Tracklist CD 6
01. Some Other Spring 02. Our Love is Different 03. Them There Eyes 04. Swing Brother, Swing 05. Night and Day 06. The Man I Love 07. You're Just a No Account 08. You're a Lucky Guy 09. Ghost of Yesterday 10. Body and Soul 11. What is This Going to Get Us 12. Falling in Love Again 13. I'm Pulling Through 14. Tell me More More Then Some 15. Laughing at Life 16. Time on My Hands (You in My Hands) 17. I'm All For You 18. I Hear Music 19. The Same Old Story 20. Practice Makes Perfect 21. St.Louis Blues 22. Loveless Love 23. Let's Do It 24. Georgia on my Mind

Tracklist CD 7
01. Romance In The Dark 02. All Of Me 03. I'm In A Low-Down Groove 04. God Bless The Child 05. Am I Blue? 06. Solitude 07. Jim 08. I Cover The Waterfront 09. Love Me Or Leave Me 10. Gloomy Sunday 11. Wherever You Are 12. Mandy Is Two 13. It's A Sin To Tell A Lie 14. Until The Real Thing Comes Along 15. Saddest Tale 16. No Regrets 17. The Way You Look Tonight 18. Who Loves You? 19. Pennies From Heaven 20. That's Life I Guess 21. They Can't Take That Away From Me 22. I Don't Know If I'm Coming Or Going 23. I'll Get By 24. Mean To Me

Tracklist CD 8
01. Me, Myself And I 02. Without Your Love 03. They Can't Take That Away From Me 04. Swing, Brother, Swing 05. I Can't Get Started 06. My First Impression Of You 07. When You're Smiling 08. I Can't Believe That You're In Love With Me 09. If Dreams Come True 10. Now They Call It Swing 11. On The Sentimental Side 12. Back In Your Own Backyard 13. You Go To My Head 14. The Moon Looks Down And Laughs 15. If I Were You 16. Forget If You Can 17. Having Myself A Time 18. Says My Heart 19. I Wish I Had You 20. I'm Gonna Lock My Heart (And Throw Away The Key) 21. I Can't Get Started 22. I've Got A Date With A Dream

Tracklist CD 9
01. April In My Heart 02. They Say 03. You're So Desirable 04. You're Gonna See A Lot Of Me 05. Hello, My Darling 06. Let's Dream In The Moonlight 07. I Cried For You 08. Jeepers Creepers 09. That's All I Ask Of You 10. More Than You Know 11. You're Too Lovely To Last 12. Under A Blue Jungle Moon 13. Night And Day 14. Falling In Love Again 15. Laughing At Life 16. I'm All For You 17. I Hear Music 18. The Same Old Story 19. The Same Old Story 20. Practice Makes Perfect 21. Practice Makes Perfect 22. Practice Makes Perfect

Tracklist CD 10
01. St. Louis Blues 02. Loveless Love 03. Let's Do It 04. Georgia On My Mind 05. Georgia On My Mind 06. Romance In The Dark 07. Romance In The Dark 08. Romance In The Dark 09. All Of Me 10. All Of Me 11. God Bless The Child 12. God Bless The Child 13. Am I Blue? 14. Am I Blue? 15. Jim 16. Gloomy Sunday 17. Wherever You Are 18. Mandy Is Two 19. It's A Sin To Tell A Lie 20. It's A Sin To Tell A Lie 21. Until The Real Thing Comes Along 22. Do Nothing 'Til You Hear From Me/I'll Get By 23. I Love My Man

Poucas parcerias deram à história da música tantos momentos de glória absoluta como Billie Holiday e Lester Young. Foi uma grande e muito especial amizade, dizem até, um grande amor de Lester por Lady Day. Visto que o jazz já tinha um ‘rei do swing’ com Benny Goodman, um ‘duque’ com Duke Ellington, e um ‘conde’ com Count Basie, Lester Young ficou conhecido como ‘Pres’, diminutivo de presidente, nome que lhe foi dado por Billie Holiday. Ele devolveu a gentileza chamando-a ‘Lady Day’. A etiqueta francesa ‘Frémeaux & Associés’ lançou ‘The Complete Billie Holiday and Lester Young 1937-1946’ em três CDs num total de 64 jóias, muitas senão todas consideradas clássicos do jazz. Este conjunto de três discos contém tudo o que a dupla fez, incluindo takes alternativos que foram restaurados com muito carinho por Alain Gerber e Christian Bonnet, dois apreciadores e amantes do jazz na Europa, e que estão por trás desta magnífica edição.

The Complete Billie Holiday and Lester Young 1937-1946

The Complete Billie Holiday and Lester Young 1937-1946 (2003)

CD 1: parte I    parte II
CD 2: parte I    parte II
CD 3: parte I    parte II

Tracklist: CD 1
01. He Ain't Got Rhythm 02. This Year's Kisses 03. Why Was I Born? 04. I Must Have That Man 05. Sun Showers 06. Yours and Mine 07. Mean to Me [Prise Master] 08. Mean to Me 09. Foolin' Myself 10. Easy Living 11. I'll Never Be the Same 12. Me, Myself and I 13. Me, Myself and I [Prise Master] 14. A Sailboat in the Moonlight 15. Born to Love 16. Without Your Love [Prise Master] 17. Without Your Love 18. Getting Some Fun Out of Life 19. Who Wants Love? 20. Trav'lin' All Alone 21. He's Funny That Way 22. I Can't Get Started

Tracklist: CD 2
01. My First Impression of You 02. My First Impression of You [Prise Master] 03. When You're Smiling [Prise Master] 04. When You're Smiling 05. I Can't Believe That You're in Love with Me 06. I Can't Believe That You're in Love with Me 07. If Dreams Come True [Prise Master] 08. If Dreams Come True 09. Now They Call It Swing 10. Now They Call It Swing [Prise Master] 11. Back in Your Own Backyard [Prise Master] 12. Back in Your Own Backyard 13. When a Woman Loves a Man 14. The Very Thought of You 15. I Can't Get Started [Prise Master] 16. I Can't Get Started 17. I've Got a Date with a Dream 18. I've Got a Date with a Dream 19. You Can't Be Mine 20. Everybody's Laughing 21. Here It Is Tomorrow Again 22. Say It with a Kiss

Tracklist: CD 3
01. The Man I Love 02. You're Just a No-Account 03. You're a Lucky Guy 04. I'm Pulling Through 05. Laughing at Life [Prise Master] 06. Laughing at Life 07. Time on My Hands 08. The Man I Love 09. Let's Do It (Let's Fall in Love) 10. Let's Do It (Let's Fall in Love) 11. All of Me [Prise Master] 12. All of Me 13. All of Me 14. I Cried for You 15. Fine and Mellow 16. He's Funny That Way 17. The Man I Love 18. Gee Baby, Ain't I Good to You? 19. All of Me 20. Billie's Blues

Cada um dos músicos de Duke Ellington era como ele mesmo uma grande estrela. E com total liberdade, ou seja, longe das regras estritas de Duke, longe do seu ambiente ducal, acompanharam muitos artistas e momentos maravilhosos e surpreendentes ocorreram. Quando se uniram ao sofisticado e elegante pianista Teddy Wilson e a sua orquestra, e sem qualquer interferênca, um estilo indefinível surgiu com cada personalidade entrelaçada e bem ajustada. Manifestações ecléticas inesquecíveis brotaram. Algumas delas estão em ‘The Complete Billie Holiday with the Ellingtonians’. Naqueles dias, Billie Holiday tinha alcançado o ápice da sua carreira e sua fusão com os ‘Ellingtonians’ simplesmente deu ainda maior destaque a esses momentos mágicos. Tudo nesta compilação enfatiza um sentimento universal de atemporalidade em que felicidade, tristeza e todos as matizes e nuances perceptíveis da condição humana estão aqui para serem sentidas e absorvidas. Todos os músicos falam esta mesma linguagem, embora com as suas próprias interpretações. Linguagem que sem sombra de dúvidas também foi de Louis Armstrong e sua orquestra aqui inseridos em ‘Sun Showers’ e Yours And Mine’, desviando-se assim da cronologia. Uma coleção impressionante de uma artista extremamente visceral, no auge, sendo apoiada por músicos que estavam à sua altura.

The Complete Billie Holiday with the Ellingtonians 1935-37

The Complete Billie Holiday with the Ellingtonians 1935-37
parte I    parte II

Tracklist
01. Big City Blues (Duke Ellington) 02. These 'n' That 'n' Those (Fairchild, Pascal) 03. You Let Me Down (Dubin, Warren) 04. Spreadin' Rythm Around (Koehler, McHugh) 05. It's Like Reaching For The Moon (Lewis, Marqusee, Sherman) 06. These Foolish Things (Marvell, Strachey, Walker) 07. I Cried For You (Arnheim, Freed, Lyman) 08. Guess Who? (Freed, Lane) 09. Easy To Love (Porter) 10. With Thee I Swing (Adlam, Hyde, Stillman) 11. The Way You Look Tonight (Fields, Kern) 12. Who Loves You? (Coots, Davis) 13. Pennies From Heaven (Burke, Johnson) 14. That's Life I Guess (DeRose, Lewis) 15. I Can't Give You Anything But Love (Fields, McHugh) 16. Carelessly (Ellis, Kenny, Kenny) 17. How Could You? (Dubin, Warren) 18. Moanin' Low (Deitz, Rainger) 19. Sun Showers (Brown, Freed) 20. Sun Showers (Brown, Freed) 21. Yours And Mine (Brown, Freed) 22. Yours And Mine (Brown, Freed) 23. I'll Get By (Ahlert, Turk) 24. Mean To Me (Ahlert, Turk)

Billie Holiday em 1957, dois anos antes de sua morte com Coleman Hawkins, Lester Young, Ben Webster, Gerry Mulligan, Vic Dickenson e Roy Eldridge. Meus deuses! Que momento do jazz!



tags:
publicado por mara* às 18:03 | link do post | comentar