bettye lavette

bettye lavetteBettye LaVette é uma das maiores cantoras da história da 'soul music' norte-americana que ouvi e me lembra muito Tina Turner. Possuidora de uma voz incrivelmente expressiva que exala uma formidável força e intensidade, às vezes reflexiva, magoada, e isso, infelizmente, por causa dos meandros da indústria da música que por quatro décadas manteve Bettye LaVette criminosamente desconhecida. Em 1972, ela foi enterrada viva. Era então uma das mais promissoras jovens vozes do R&B norte-americano, e tinha sido contratada pela poderosa ‘Atlantic Records’, que a levou até o ‘Muscle Shoals Sound Studio’ no Alabama, para gravar um disco. Foi neste estúdio que os Rolling Stones gravaram assim como Aretha Franklin e Etta James. Mas, a gravadora sem nenhuma explicação jamais lançou o disco. Frustrada, Bettye partiu sozinha para ganhar a vida. Fez coro em musicais da Broadway, e também dançou e sapateou, além de participar de sessões de estúdio para todo tipo de músico. Esteve em todos os fronts musicais. Depois de 30 anos viu-se o tamanho do equívoco que foi esquecer essa mulher que nasceu em Muskegon, Michigan, como Betty Haskins e cresceu em Detroit. Tinha apenas 16 anos, em 1962, quando gravou o single ‘My man - He’s a loving man’, que chegou ao top 10 da parada de R&B. O sucesso imediato a levou a dividir turnês com astros do soul, como James Brown e Otis Redding. Em 1965, voltou ao hit parade com ‘Let me down easy’, que se tornou sua marca musical.

bettye lavette - peter townsendFoi apenas em 2000, já então com 54 anos, que Bettye renasceu. Um selo francês descobriu e finalmente lançou o disco esquecido da ‘Atlantic Records’, e Bettye tornou-se um culto instantâneo ao redor do mundo. Em 2003, ganhou o WC Handy Award. Em 2005, o disco ‘I’ve Got My Own Hell to Raise’ tornou-se obrigatório para quem aprecia a boa música. Em 2007, foi indicada para o Grammy por ‘The Scene of the Crime’, no qual canta Elton John e Willie Nelson, entre outros. No final de 2008, no Kennedy Center, ela fez chorar o guitarrista Pete Townshend, durante um tributo a Roger Daltrey e ao próprio Pete Townshend, da banda ‘The Who’, ao interpretar ‘Love Reign O’er Me', composição de Pete Townshend. Ela roubou o show. A platéia silenciou. Foi inacreditável. Finalmente, em 2009, veio a consagração no Lincoln Memorial, quando deixou o mundo estupefato ao cantar na posse de Barack Obama, a canção ‘A Change Is Gonna Come’, de Sam Cooke, dividindo microfones com Jon Bon Jovi. Bettye nasceu sob um regime de segregação. E ama a política. E é claro que torceu muito pela vitória do seu amigo Obama. Neste mesmo ano Bettye foi convidada de honra da 30ª edição do ‘Blues Music Awards’, no ‘Cook Convention Center’ de Memphis. E veio se apresentar no Brasil no auge, aos 64 anos, com sua voz roufenha e cristalina.

bettye lavette

Com o passar dos anos a mágoa da ‘Atlantic’ por não ter lançado o seu disco foi diluída pela sabedoria da idade. As gravadoras avaliam a música como negócio, além do seu estilo musical eclético que combinava elementos do soul, blues, rock and roll, funk, gospel e música country, que a impedia de ser facilmente comercializada, Bettye era cantora de palco e não uma artista de gravação. E teve que sobreviver como ‘back singer’, que no final foi um grande aprendizado, pois ela cantava de tudo, não tinha escolha, cantava o que pediam para cantar, cantou em musicais, cantou rock, cantou pop. Agora, como estrela, pode escolher as canções. Bettye está sempre rindo, mas fala sério quando o assunto é música. A sua maior influência foi Louis Armstrong. Ao cantar, é o teclado que a guia durante as canções, mais do que o baixo ou qualquer outro instrumento. Rudy Robinson, que morreu recentemente, foi o seu tecladista durante 30 anos, e era também o seu diretor musical. Agora trabalha com Alan Hill, que também desempenha os dois papéis. Ela acha uma piada essa tese de que haja um novo e bem fornido lote de cantoras de R&B. As pessoas pensam que, se o artista é negro e não canta nem rap nem soul, então só pode ser R&B o que ele canta. O mais novo trabalho de Bettye LaVette é ‘A change is gonna come sessions’, com seis faixas do mestre da ‘soul music’ Sam Cooke.

carol franO álbum ‘Bluesoul Belles: The Complete Galla, Port & Roulette Recordings’ traz Betty Lavette e Carol Fran, duas cantoras mais subestimada dos anos 60, a era de ouro da ‘soul music’. O conjunto de faixas, algumas inéditas, oferece um argumento convincente de que realmente foram negligenciadas pelas gravadoras e pela crítica. A versatilidade de Bettye Lavette é clara. As contribuições de Carol Fran com sua voz cristalina e seu marido o guitarrista Clarence Holliman, embora enraizado no blues, foram ideais para a sofisticação do álbum. Por isso, o fracasso dessas gravações é desconcertante para mim. A pianista e cantora de soul e blues Carol Fran, nasceu em Lafayette, LA. Após o início da sua carreira cantando blues com a orquestra de Don Conway, ela finalmente desembarcou em Nova Orleans, e casou-se com o saxofonista Bob François. Ela se tornou uma presença constante no circuito de clubes da ‘Bourbon Street’ antes de uma excursão prolongada pelo México. Em 1957, ela conseguiu um sucesso regional, com seu single de estréia ‘Emmitt Lee’. Ela gravou extensivamente para a ‘Excello’, mas infelizmente, não conseguiu fazer nenhum progresso comercial. Amargurada por suas mal sucedidas experiências com as gravadoras e transações financeiras, ela voltou para a Louisiana e passou mais de uma década limitando as suas apresentações em pequenos clubes. Em 1982, Fran se reuniu com Clarence Holliman, um guitarrista que ela namorou um quarto de século antes, o casal se casou e se mudou para o Texas. Destemida Carol Fran continuou a cantar por quase cinquenta anos. Bettye LaVette e Carol Fran são duas vítimas da política de negócios da música.

bettye lavette - bluesoul belles (2005)

Bluesoul Belles: The Complete Galla, Port & Roulette Recordings (2005)
(Bettye LaVette & Carol Fran)

Tracklist
Bettye LaVette
01. Let Me Down Easy 02. Only Your Love Can Save Me 03. Stand Up Like A Man 04. What I Don't Know (Won't Hurt Me) 05. Cry Me A River 06. She Don't Love You Like I Love You 07. I Feel Good All Over 08. I'm Just A Fool For You
Carol Fran
09. A World Without You 10. It's My Turn 11. Just A Letter 12. Any Day Love Walks In 13. C'mon Let's Make Up 14. So Close 15. Roll With The Punches 16. My Runaway Heart 17. You're My Pleasure 18. A Woman In Love 19. I Was Such A Fool 20. Out Of Sight, Out Of Mind 21. You Can't Stop Me 22. I Know 23. I'm Gonna Try 24. Crying In The Chapel

Anos depois de Bettye ser abandonada pela gravadora ‘Atlantic’ e seu trabalho arquivado em 1972 o rótulo francês Art & Soul fez o que a ‘Atlantic’ não conseguiu fazer, dar a Bettye Lavette e seu talento prodigioso o respeito que merecem. Em ‘Souvenirs’, Bettye tem a intensidade de Aretha e Tina Turner.

bettye lavette - souvenirs (1973)    bettye lavette - child of the seventies (2006)

Souvenirs (1973)    |    Child of the Seventies (2006)

Tracklist: Souvenirs
01. It Ain't Easy 02. Fortune Teller 03. Owr Own Love Song 04. Soul Tambourine 05. Your Turn To Cry 06. Ain't Nothing Gonna Change Me 07. All The Black And White Children 08. If I Can't Be Your Woman 09. Outside Woman 10. The Stealer 11. My Love Is Showing 12. Souvenirs 13. Heart Of Gold 14. You'll Wake Up Wiser 15. My Man - He's A Lovin' Man 16. Shut Your Mouth 17. You'll Never Change 18. Here I Am

Tracklist: Child of the Seventies
01. It Ain't Easy 02. If I Can't Be Your Woman 03. Fortune Teller 04. Your Turn to Cry 05. Soul Tambourine 06. All the Black and White Children 07. Our Own Love Song 08. Ain't Nothing Gonna Change Me 09. Outside Woman 10. TheStealer 11. My Love Is Showing 12. Souvenirs 13. Waiting for Tomorrow 14. Livin' Life on a Shoestring 15. Your Turn to Cry (Mono Single Verstion) 16. Soul Tambourine (Mono Single Version) 17. Heart of Gold 18. You'll Wake Up Wiser 19. Here I Am 20. You'll Never Change 21. My Man - He's a Lovin' Man 22. Shut Your Mouth

Há um espaço na música americana onde os elementos de blues, folk, pop, jazz, gospel e R&B se fundem em uma alquimia perfeita, onde as fronteiras de gênero não são muito significativas. Este é um espaço muito raramente acessado em gravações mais contemporânea, e é um espaço que Bettye LaVette retomou em ‘I've Got My Own Hell to Raise’. O resultado é um registro de riqueza, de majestade e de profundidade. É emoção pura que arrepia. É também um disco que reflete a sabedoria e perspicácia musical adquirida ao longo de uma carreira de quarenta e três anos.

bettye lavette - a woman like me (2003)    I've got my own hell to raise (2005)

A woman like me (2003)    |    I've got my own hell to raise (2005)

Tracklist: A woman like me
01. Serves Me Right 02. The Forecast 03. Thru The Winter 04. Right Next Door 05. When The Blues Catch Up To You 06. Thinkin' Bout You 07. A Woman Like Me 08. It Ain't Worth It After A While 09. When A Woman's Had Enough 10. Salton My Wounds 11. Close As I'll Get To Heaven 12. Hey, Hey Baby (Betty's Blues)

Tracklist: I've got my own hell to raise
01. I Do Not Want What I Haven’t Got 02. Joy 03. Down To Zero 04. The High Road 05. On The Surface 06. Just Say So 07. Little Sparrow 08. How Am I Different 09. Only Time Will Tell Me 10. Sleep To Dream

bettye lavette - change is gonna come sessions (2009)    bettye lavette - interpretations (2010)

Change Is Gonna Come Sessions (2009)    |    Interpretations (2010)

Tracklist: Change Is Gonna Come Sessions
01. Change Is Gonna Come 02. Round Midnight 03. God Bless the Child 04. Lush Life 05. Ain t No Sunshine 06. Ain t That Lovin You

Tracklist: Interpretations - The British Rock Songbook
01. The Word 02. No Time To Live 03. Don't Let Me Be Misunderstood 04. All My Love 05. Isn't It A Pity 06. Wish You Were Here 07. It Don't Come Easy 08. Maybe I'm Amazed 09. Salt Of The Earth 10. Nights In White Satin 11. Why Does Love Got To Be So Bad 12. Don't Let The Sun Go Down On Me 13. Love Reign O'er Me (Live)

Infelizmente a qualidade do vídeo é péssima, mas foi o único dessa música que encontrei. Mesmo assim tem-se uma amostra do quão Bettye Lavette é magnífica!



tags:
publicado por mara* às 04:35 | link do post | comentar