the ultimate jazz archive: swing to bebop 29

posts relacionados
the ultimate jazz archive: blues

the ultimate jazz archive: boogie woogie</span>
the ultimate jazz archive: swing to bebop, modern jazz
the ultimate jazz archive: big bands
the ultimate jazz archive: vocalists


art pepper

Art Pepper (1925 - 1982) foi clarinetista e saxofonista de cool jazz, estilo surgido no final da década de 40 em New York. O estilo caracteriza-se por ser, na maioria das vezes, uma música mais lenta e mais melancólica e um de seus maiores representantes foi Miles Davis. Arthur Edward Pepper Jr. nasceu na Califórnia, mas viveu vários anos em Los Angeles. Iniciou a sua carreira musical nos anos 40, tocando nas orquestras de Benny Carter e de Stan Kenton. Entre 1944 e 1946, cumpriu o serviço militar e na década seguinte, tornou-se um dos principais músicos do jazz da costa oeste dos EUA, juntamente com Chet Baker e Gerry Mulligan, entre outros. Ao mesmo tempo que cumpria o serviço militar, Pepper consumia heroína, o que levou a várias interrupções na carreira, e alguns períodos na prisão, nos anos 50 e 60. Estes períodos influenciaram o seu trabalho, levando-o a adotar um som mais pesado, característico de John Coltrane. Na década de 50, Art Pepper foi um dos poucos, juntamente com os também saxofonista Lee Konitz e Paul Desmond, capaz de desenvolver seu próprio som, apesar da influência dominante de Charlie Parker. Entre 1969 e 1971, passou algum tempo em uma clínica de reabilitação para dependentes. Voltou às gravações, editando diversos álbuns, após iniciar tratamento com metadona, narcótico idêntico nas suas propriedades à morfina, utilizado principalmente no tratamento dos dependentes de heroína, agindo nos mesmos receptores e com os mesmos efeitos. Em 1980, Art Peeper escreve a sua autobiografia, ‘Straight Life’, que descreve o mundo do jazz, das drogas e o sub-mundo do crime, na Califórnia. Quando Art Pepper morreu aos 56 anos de idade, de um derrame, ele tinha alcançado a sua meta de se tornar um dos grandes do jazz.



shorty rogers

Shorty Rogers (1924 - 1994), nascido em Massachusetts como Milton Rajonsky foi um dos principais criadores do west coast jazz, estilo que se desenvolveu em torno de Los Angeles e San Francisco na década de 50 e é muitas vezes visto como um sub-gênero do cool jazz. Shorty Rogers tocou tanto o trompete quanto o flugelhorn. Trabalhou primeiro como músico profissional, com o trombonista e bandleader Will Bradley e o vibrafonista Red Norvo. De 1947 a 1949, com Woody Herman e em 1950 e 1951 com Stan Kenton. De 1953 até 1962 Rogers gravou uma série de álbuns com seu próprio grupo, ‘Shorty Rogers and His Giants’. Em 1954 gravou o álbum ‘The Three and the Two’ com o baterista Shelly Manne e o clarinetista e saxofonista Jimmy Giuffre. Grande parte da música que ele gravou com Giuffre mostrou o seu lado experimental, resultando em uma forma primitiva de avant-garde jazz, também conhecido como avant-jazz, estilo que muitas vezes soa muito semelhante ao free jazz. Shorty Rogers também fez gravações notáveis com Art Pepper e Andre Previn, entre outros, e incorporou também o estilo de Count Basie, sua grande inspiração. Rogers se tornou mais conhecido por suas habilidades como compositor e arranjador do que como trompetista. No início dos anos 60, deixou de tocar o trompete e abandonou a cena do jazz durante muitos anos. Entre as atividades de compor e arranjar, ele organizou uma série de registros para ‘The Monkees’, grupo de pop rock dos anos 60, e na década de 70 escreveu a trilha para as séries de TV ‘The Partridge Family’ e ‘Starsky & Hutch’. Finalmente, em 1982, foi convencido a voltar para o jazz, pela primeira vez com uma orquestra na Inglaterra e depois com o flautista e saxofonista Bud Shank. Na década 90 formou o ‘Lighthouse All Stars’, um grupo com Shank, e os saxofonistas Bill Perkins e Bob Cooper.



horace silver

Horace Silver (1928), um dos mentores do hard bop tocou com Stan Getz, Coleman Hawkins, Lester Young e Miles Davis, e teve uma associação marcante com Art Blakey e o seu grupo ‘Jazz Messengers’. Horace Ward Martin Tavares Silva foi influenciado por vários estilos musicais, o gospel, a música africana, e a latino-americana e se aventurou no gênero soul jazz. Compositor de vários temas que ficaram bastante conhecidos, Horace Silver ficou associado ao estilo de piano conhecido como ‘funky’, inspirado no soul e no gospel e que se caracteriza por uma repetição obstinada de figuras rítmicas sincopadas e com improvisos mais longos do que no bebop. Silver é um pianista de toque duro, entrecortado e percussivo. Sua música é vigorosa e fortemente rítmica. É um excelente intérprete de blues. As suas primeiras influências foram os estilos de boogie-woogie e o blues. Em 1956 formou seu próprio quinteto e desde então trabalha bastante com esse tipo de formação, sendo um dos principais líderes de pequenos conjuntos. Com as convulsões sociais e culturais que sacudiram os EUA durante o final dos anos 60 e início de 70, Horace Silver respondeu a essas mudanças através da música. Passou quase trinta anos associado ao selo Blue Note e os seus descendentes musicais e de seu jazz funky são Herbie Hancock e Wayne Shorter. A música de Silver tem sido uma força importante no jazz moderno e o seu talento não passou despercebido entre os músicos de rock com influências do jazz.



chet baker

Chet Baker (1929 - 1988), é figura mitológica do jazz, em grande parte por fatores extramusicais, o que não significa que sua música não seja extraordinária. Chesney Henry Baker Jr. nasceu em Oklahoma e foi criado em Los Angeles. De seu pai, guitarrista amador de bandas de country, além de herdar o nome herdou também o amor pela música; foi ele quem lhe deu um trompete quando fez treze anos, para que pudesse entrar para a banda do colégio. No entanto, Chet não gostava de estudar música. Aos dezessete anos saiu da escola e entrou para o exército. Transferido para Berlim tocou na banda militar e nesse período, na Europa, ouviu jazz pela primeira vez transmitido pela rádio do exército. Ao sair do exército vagou por Los Angeles ouvindo Miles Davis, Fats Navarro e participando de 'jam sessions' durante a noite. Estava se apresentando em Los Angeles quando ficou sabendo que Charlie Parker estava à procura de um trompetista para acompanhá-lo em sua turnê. A sessão de audição de Charlie Parker para a escolha de um candidato terminou quando ele ouviu o trompete de Chet Baker, então com 22 anos. Baker tinha grande afeição por Charlie Parker, por sua gentileza, honestidade e pela maneira como protegia os músicos da banda, tentando mantê-los longe da heroína que tanto lhe corroia. Em 1952, quando Gerry Mulligan começou a formar seu famoso quarteto sem piano, escolheu Baker, com quem já havia tocado em 'jam sessions'. A formação foi um sucesso incrível e durou cerca de um ano, até Mulligan ser preso por posse de heroína. Com a saída de Mulligan, Baker convidou o pianista Russ Freeman para substituí-lo. Após discussões envolvendo dinheiro o quarteto se desfez e Baker seguiu para a Europa. A turnê ia bem até a morte por overdose do pianista de 24 anos, Dick Twardzik. Sozinho, Baker permaneceu na Europa tocando com vários músicos. De volta aos EUA, começou a consumir heroína e foi preso. Resolveu voltar para a Europa onde viveu por quatro anos na Itália, foi preso, casou e teve um filho. Em 1964 voltou novamente aos EUA, agora dominados pelo rock dos Beatles. Restando pouco espaço para o jazz gravou discos comerciais de baixíssimo valor artístico. Época em que perdeu vários dentes em uma briga por heroína o que o levou a abandonar o instrumento de 1970 a 1973. Em viagem pelo Colorado ouviu Dizzy Gillespie tocar em um clube. Foi o início do seu retorno quando Gillespie ficou sabendo do seu esforço para voltar à cena musical e lhe arrumou uma temporada em New York. Chet Baker foi o músico cool por excelência, sendo um dos pais deste estilo, não apenas musicalmente, mas também na atitude de calculada indolência, que se tornou famosa. Um jeito que escondia a dura realidade: a devastadora dependência de drogas que fez com que durante décadas Chet Baker se visse em um labirinto infernal de crises pessoais, contratos interrompidos, brigas, internações e prisões. Sua aparência sofreu ao longo da vida uma transformação impressionante, devido ao uso de heroína e suas conseqüências. O outrora belo e jovem trompetista aos quarenta anos parecia estar com sessenta. Mas mesmo com tudo isso, milagrosamente, o gênio musical de Chet mantinha-se intacto como atesta a sua vasta discografia. Baker morreu em Amsterdã, de forma trágica e misteriosa, quando despencou da janela do hotel. Até hoje resistem muitas controvérsias sobre a causa de sua partida: suicídio ou acidente? Leia +...




the ultimate jazz archive 29

I remember you
horace silver



29-1: Art Pepper (1950-1954)
parte I    parte II

Tracklist
01. The Count On Rush Street 02. Pooch Mcgooch 03. Brown Gold 04. Holiday Flight 05. Surf Ride 06. Tickle Toe 07. Chili Pepper 08. Suzy The Poodle 09. Straight Life 10. Cinnamon 11. Thyme Time 12. The Way You Look Tonight 13. Nutmeg 14. Art's Oregano 15. Over The Rainbow 16. Popo 17. Didi 18. Sam And The Lady 19. Apropos 20. Art Pepper

29-2: Shorty Rogers (1951-1956)
parte I    parte II

Tracklist
01. Moton Swing 02. Isn't It Romantic 03. Four Mothers 04. Dickie's Dream 05. Over The Rainbow 06. The Lady In Red 07. Just A Few 08. My Heart Stood Still 09. Blues Way Up There 10. Blues Way Down There 11. Easy 12. Not Really The Blues 13. Baklava Bridge 14. Clickin' With Clax 15. Twelfth Street Rag

29-3: Horace Silver (1952)
parte I    parte II

Tracklist
01. Quicksilver 02. Horoscope 03. Thou swell 04. Safari 05. Ecaroh 06. Prelude to a kiss 07. Yeah 08. I remember you 09. Knowledge box 10. Day in, day out 11. Opus de funk 12. How about you 13. Buhaina 14. Silverware

29-4: Chet Baker (1952-1954)
parte I    parte II

Tracklist
01. Freeway 02. My Old Flame 03. Five Brothers 04. My Funny Valentine 05. Come Out Wherever You are 06. What's New 07. Half Nelson 08. All The Things You Are 09. Bea's Flat 10. Moon Love 11. Happy Little Sunbeam 12. Pro Defunctus 13. Moonlight Becomes You 14. Bockhanal



</span>
publicado por mara* às 17:31 | link do post | comentar