soundtrack by charlie chaplin

charlie chaplinO comediante Charles Chaplin foi um dos criadores mais originais da história do cinema, um superstar de comédias silenciosas e um dos grandes ícones do século 20. Além de ser um formidável escritor e compositor foi também um dos diretores mais talentosos da história e ator. Sua atuação notável de Carlitos, um simpático e sensível vagabundo em roupas mal ajustadas, sapatos largos e desgastados, chapéu-coco, bigode e bengala, ganhou a admiração das platéias de todo o mundo. Chaplin foi o cineasta mais importante da era do cinema mudo. Através de sua compreensão clara e sua capacidade de experimentação constante ele definiu a maioria das regras para a comédia do cinema que ainda estão sendo seguidas. Ele escreveu, dirigiu, produziu e atuou em quase todos os seus filmes mas, o que surpreende a maioria das pessoas é que ele também escreveu a música de seus filmes mais famosos: ‘The Kid’, ‘City Lights’, ‘Modern Times’, ‘The Great Dictator’ e ‘The Gold Rush’. E ele fez tudo isso sem nunca ter estudado música. Ele nunca aprendeu a ler música.

Chaplin foi criado nos salões de música de Londres e sua música reflete essa origem. Os filmes de Chaplin eram em sua maioria mudos, por isso a música falou onde as palavras não podiam. O vagabundo Carlitos é provavelmente o personagem mais imitado. Há rumores de que o próprio Chaplin participou uma vez de um concurso de imitadores de Charlie Chaplin, e acabou ficando em 3º lugar. O asteróide 3623 Chaplin, descoberto pela astrônoma soviética Lyudmila Georgievna Karachkina em 1981, foi batizado em homenagem a ele. Em 1992, foi feito um filme sobre a sua vida, dirigido por Richard Attenborough e estrelado por Robert Downey Jr. e Geraldine Chaplin, a filha de Chaplin na vida real, interpretando sua própria avó.

Influenciado pelo comediante francês Max Linder, a quem ele dedicou um de seus filmes, sua carreira durou mais de 75 anos, desde suas primeiras atuações nos teatros do Reino Unido quando ainda criança até a sua morte aos 88 anos de idade. Foi também um talentoso jogador de xadrez e chegou a enfrentar o campeão estadunidense Samuel Reshevsky. Chaplin não foi grande, ele foi gigantesco. Em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial, ele trouxe ao mundo dilacerado pela guerra o dom da comédia, e depois com a Grande Depressão e ascensão de Hitler, através do riso trouxe prazer e alívio. Por sua inigualável contribuição ao cinema, Chaplin é o mais homenageado cineasta de todos os tempos, sendo ainda em vida condecorado pelos governos britânico e francês, pela Universidade de Oxford e pela Academia de Artes e Ciências.

charlie chaplin 1910

Charlie Chaplin 1910

Charles Spencer Chaplin nasceu nos arredores de Londres, Inglaterra. Seus pais eram cantores e atores com quem aprendeu a cantar. Quando se divorciaram, Charlie foi deixado aos cuidados da mãe Hannah, cada vez mais instável emocionalmente. O censo de 1891 mostra que Charlie morava com a mãe e seu meio-irmão Sydney. Quando uma crise de laringe ocorreu quando Hannah cantava em um teatro freqüentado por soldados, além de ser vaiada, foi gravemente ferida por objetos atirados no palco. Nos bastidores, enquanto sua mãe chorava, o pequeno Chaplin, com cinco anos, subiu ao palco e cantou ‘Jack Jones’, uma canção popular da época. Perdida a capacidade de cantar, Hannah conseguiu ganhar a vida costurando. Infelizmente, ela lentamente sucumbiu à doença mental, e quando Charlie tinha 7 anos de idade, ela foi confinada a um asilo e os dois irmãos foram mandados para um reformatório do governo para as crianças órfãs e abandonadas. Depois de dois meses, ela foi liberada e os três foram reunidos por um tempo. Um ano mais tarde, ela voltou para um novo tratamento e Charlie Chaplin viveu com seu pai alcoólatra e sua madrasta, em um ambiente tenso. Seu pai morreu de cirrose quando Chaplin tinha doze anos. Os irmãos unidos sobreviveram e ainda jovens foram atraídos pela música e ambos mostraram grande talento. A mãe de Chaplin morreu em 1928, em Hollywood, sete anos após ter sido levada para os Estados Unidos por seus filhos.

sydney chaplinSydney Chaplin, seu irmão merece uma menção, pois ele foi uma influência fundamental no sucesso da carreira de Charlie e ele também fez sucesso como ator em filmes mudos. É bem possível que Sydney foi um filho ilegítimo. Charles Chaplin não menciona o pai de Sydney, em sua autobiografia de 1964. Os dois irmãos se uniram para encontrar um caminho para sair da pobreza extrema. O teatro foi a escolha lógica. Syd preparou Chaplin para o sucesso e o ajudou a conseguir seus primeiros papéis no teatro, já que Charlie mal conseguia ler Syd tinha que ajudá-lo a memorizar suas falas. Syd passou a trabalhar com a Companhia de Karno Fred em Londres, e depois se mudou para os Estados Unidos e começou sua carreira como ator na Companhia de Keystone, assim como Charlie. Enquanto o personagem de Charlie foi o famoso vagabundo, Syd encontrou o sucesso moderado com um personagem que ele criou chamado ‘Gussie’. Quando Charlie começou a experimentar o seu sucesso fenomenal Sydney desistiu de atuar por algum tempo para se tornar gerente de seu irmão além de trabalhar como ator em vários filmes de Charlie que sempre se referiu ao irmão como o principal contribuinte para o seu sucesso profissional. Algumas biografias citam que Syd ‘nunca se casou ou teve filhos’, uma maneira sutil de revelar a sua homossexualidade.

A primeira turnê de Chaplin aos Estados Unidos com o grupo do empresário de teatro Fred Karno foi em 1910 e depois em 1912. Na companhia de Karno estava Arthur Stanley Jefferson, que posteriormente ficaria conhecido como Stan Laurel, que se tornou famoso principalmente por seu trabalho com Oliver Hardy, com o qual formou a dupla cômica, no Brasil conhecidos como 'O Gordo e o Magro'. Chaplin e Laurel dividiam um quarto em uma pensão. Stan Laurel retornou à Inglaterra e Chaplin ficou nos Estados Unidos. Em 1913, a atuação de Chaplin foi vista pelo produtor, roteirista, ator e diretor de cinema Mack Sennett que o contratou para seu estúdio, a Keystone Film Company, para substituir o comediante Ford Sterling. Chaplin teve grande dificuldade em se adaptar ao estilo de atuação cinematográfica da Keystone e após a sua estréia no filme ‘Making a Living’, Sennett percebeu que cometera um grande erro. Foi lhe dada uma nova chance e Chaplin desenvolveu seu principal e mais conhecido personagem, o vagabundo.

Nigel Bruce, Sydney Chaplin e Charlie Chaplin  Sydney Chaplin

Nigel Bruce, Sydney Chaplin e Charlie Chaplin no filme 'Limelight' de 1952
Sydney Chaplin é o Kaiser, com Charlie Chaplin em ‘Shoulder Arms’ de 1918

Os primeiros filmes de Chaplin usavam a fórmula padrão do estúdio, comédia pastelão e gestos exagerados. O vagabundo atacava agressivamente seus inimigos com chutes e tijolos. O público amava este novo comediante, apesar do alerta dos críticos de que as travessuras do personagem beiravam a vulgaridade. Logo depois, Chaplin se ofereceu para dirigir e editar seus próprios filmes. Em 1915, com a 'Essanay Studios', desenvolveu suas habilidades cinematográficas, adicionando novos níveis de sentimentalismo em seus filmes e também desenvolveu o seu próprio elenco, que incluía a heroína Edna Purviance e os vilões cômicos Leo White e Bud Jamison. Imigrantes de todos os lugares chegavam à América, e os filmes mudos eram capazes de transpor as barreiras da linguagem, sendo compreendidos por todos. Nesse contexto, Chaplin tornou-se o expoente máximo do cinema mudo.

Em 1916, a 'Mutual Film Corporation' pagou a Chaplin para produzir uma dúzia de comédias com controle artístico quase total. Praticamente todos os filmes de Chaplin produzidos na Mutual são clássicos. Edna Purviance continuou sendo a protagonista, e Chaplin adicionou Eric Campbell, um veterano nas óperas, Henry Bergman e Albert Austin ao seu elenco. Com o fim do contrato, em 1917, Chaplin assinou com a 'First National' que deu-lhe total controle criativo sobre a produção, para que ele pudesse se concentrar na qualidade. Chaplin foi ambicioso e expandiu alguns de seus projetos em longa-metragens, como o clássico ‘The Kid’ (1921), baseado em sua própria experiência quando ele e seu irmão foram mandados para um orfanato quando a mãe foi internada numa instituição mental.

Em 1919, Chaplin co-fundou a distribuidora 'United Artists' junto com a atriz e produtora Mary Pickford, com o ator Douglas Fairbanks e o diretor D. W. Griffith. O controle total da produção de seus filmes no seu próprio estúdio assegurou a independência de Chaplin como cineasta. Apesar dos filmes falados tornarem-se o modelo dominante logo após serem introduzidos em 1927, Chaplin resistiu a fazer um filme assim durante toda a década de 1930. Ele considerava o cinema uma arte essencialmente pantomímica. A ação é geralmente mais entendida do que palavras, ele dizia. Durante o avanço dos filmes sonoros, Chaplin produziu ‘City Lights’ (1931) e ‘Modern Times’ (1936) antes de se converter ao cinema falado. Esses filmes foram essencialmente mudos, porém possuíam música sincronizada e efeitos sonoros.

Charlie Chaplin e Albert Einstein

Charlie Chaplin e Albert Einstein

‘City Lights’ contém o mais perfeito equilíbrio entre comédia e drama. Apesar de ‘Modern Times’ ser um filme mudo, ele contém falas, geralmente provenientes de objetos inanimados, como rádios ou monitores de TV. Isto foi feito para o público da década de 30, que já não tinhal o hábito de assistir os filmes mudos. Além disso, foi o primeiro filme em que a voz de Chaplin é ouvida, no final do filme, a canção ‘Smile’, composta e cantada por ele próprio num dueto com Paulette Goddard. No entanto, para a maioria é considerado um filme mudo e o fim de uma era. O primeiro filme falado de Chaplin, ‘The Great Dictator’ (1940) foi um ato de rebeldia contra o ditador alemão Adolf Hitler e o nazismo, e foi lançado nos Estados Unidos um ano antes do país abandonar sua política de neutralidade e entrar na Segunda Guerra Mundial. Chaplin interpretou um papel duplo, de Adenoid Hynkel, ditador da ‘Tomânia’, e de um barbeiro judeu perseguido por nazistas. O filme também contou com a participação do comediante Jack Oakie no papel de Benzino Napaloni, uma sátira ao ditador italiano Benito Mussolini e do fascismo; e com Paulette Goddard, no papel de uma mulher no gueto. O filme foi visto como um ato de coragem no ambiente político da época.

O posicionamento político de Chaplin sempre foi de esquerda. Durante a era do macarthismo, Chaplin foi acusado de atividades anti-americanas como um suposto comunista, e J. Edgar Hoover tentou acabar com sua residência nos EUA. A pressão do FBI sobre Chaplin cresceu e alcançou um nível crítico no final da década de 40, quando ele lançou o filme de humor negro ‘Monsieur Verdoux’ (1947), considerado uma crítica ao capitalismo. O filme foi mal recebido e boicotado em várias cidades dos EUA, obtendo, no entanto, êxito na Europa. O Congresso ameaçou chamá-lo para um interrogatório público. Isso nunca aconteceu, provavelmente, devido à possibilidade de Chaplin satirizar os investigadores. Por seu posicionamento político, Chaplin foi incluído na lista negra de Hollywood. Em 1952, Chaplin deixou os EUA para o que pretendia ser uma breve viagem para a estréia do filme ‘Limelight’ em Londres. Hoover soube da viagem e negociou com o Serviço de Imigração para revogar o visto de Chaplin, exilando-o do país. Chaplin decidiu então permanecer na Europa, escolhendo morar em Vevey, Suíça.

charlie chaplin 1965Em 1972, Chaplin ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora pelo filme ‘Limelight’. Também foi indicado ao Oscar de Melhor Roteiro Original e Melhor Ator em ‘The Great Dictator’ e novamente por Melhor Roteiro Original em ‘Monsieur Verdoux’. Durante seus anos ativos como cineasta, Chaplin expressava desprezo pelos Oscars; seu filho descreve que ele provocou a ira da Academia ao deixar seu Oscar de 1929 ao lado da porta, para não deixá-la bater. Isto talvez explique porque ‘City Lights’ e ‘Modern Times’, considerados por várias enquetes como dois dos melhores filmes de todos os tempos, nunca foram indicados a um único Oscar. Os últimos dois filmes de Chaplin, ‘A King in New York’ (1957) e ‘A Countess from Hong Kong’ (1967), foram produzidos em Londres. O último filme foi estrelado por Sophia Loren e Marlon Brando, e Chaplin fez uma pequena ponta no papel de mordomo, sendo esta a sua última aparição nas telas. Ele também compôs a trilha sonora de ambos os filmes, assim como a canção-tema, ‘This is My Song’ de ‘A Countess from Hong Kong’, cantada por Petula Clark, chegando a ser a canção mais popular do Reino Unido.

A saúde de Chaplin começou a declinar lentamente no final da década de 60. Por volta de 1977, já tinha dificuldade para falar, e começou a usar uma cadeira de rodas. Chaplin morreu dormindo aos 88 anos de idade em consequência de um derrame cerebral, na Suíça. Em 1978, seu cadáver foi roubado da sepultura por um pequeno grupo de mecânicos suíços, na tentativa de extorquir dinheiro da família. O corpo foi recuperado onze semanas depois. No cemitério, há uma estátua de Chaplin em sua homenagem. Em 1991, Oona O'Neill, sua quarta e última esposa, faleceu e foi sepultada ao lado do cineasta.

mildred harris  peggy hopkins joyce lita grey paulette goddard joan barry oona o'neill
Mildred Harris | Peggy Hopkins Joyce | Lita Grey | Paulette Goddard | Joan Barry | Oona O'Neill

Controverso, na vida pessoal Chaplin em nada se assemelhava ao delicado vagabundo de atitudes angelicais. Chaplin orgulhava-se de ser bem-dotado sexualmente considerando-se uma máquina sexual e a seu pênis se referia como a oitava maravilha do mundo. Fascinado por mocinhas bem mais novas teve dezenas de mulheres. Em 1918, casou-se aos 28 anos de idade com Mildred Harris, que tinha então 16 anos. Tiveram um filho nascido deformado, que morreu três dias após o nascimento. O divórcio foi inevitável. Mais tarde, namorou por anos Peggy Hopkins Joyce. O relacionamento inspirou Chaplin a fazer o filme ‘A Woman of Paris’. Aos 35 e sozinho, apaixonou-se por Lita Grey, que tinha apenas 16 anos. Mesmo ela sendo muito jovem, casaram-se em 1924, no México, quando ela ficou grávida. Tiveram dois filhos, Charles Chaplin Júnior e Sydney. Divorciaram-se em 1926, por causa de brigas. Em 1936, aos 47 anos casou-se secretamente com Paulette Goddard, de 25 anos. Depois de alguns anos felizes, este casamento também terminou. Após a separação, Chaplin namorou Joan Barry, atriz de 22 anos. Esta relação durou anos e terminou quando Barry começou a perturbá-lo por ciúmes. Tempos depois, conheceu Oona O'Neill, filha do dramaturgo Eugene O'Neill. Casaram-se em 1943, ele tinha 54 anos enquanto ela somente 17. Este casamento foi longo e feliz. Oona, mesmo sendo ainda muito jovem, deu oito filhos a Charlie, o que o deixou em completa felicidade. O amor era tão grande que Oona cuidou dele até a sua morte.

charlie chaplin - suite (the kid)


charlie chaplin - the essential film music collection (2006)

Charlie Chaplin Essential Film Music Collection(2006)
CD 1: parte I    parte II
CD 2: parte I    parte II

Personnel: Charlie Chaplin (Composer); Carl Davis (Composer); Carl Davis (Conductor); Wihan Quartet (Performer); Gareth Williams (Performer); City of Prague Philharmonic Orchestra (Orchestra); Jaromir Klepac (Performer); Lucie Svelhová (Performer)

CD 1: Chaplin by Chaplin
01. The Reel Chaplin (Part 1)
02. The Kid (1921)
03. Pay Day (1922)
04. The Gold Rush (1925)
05. The Circus (1928)
06. City Lights (1931)
07. Modern Times (1936)
08. The Great Dictator (1940)
09. Monsieur Verdoux (1940) Paris Boulevard
10. Monsieur Verdoux (1940) Bitter Tango
11. A king in New York (1957) Mandolin Serenade
12. A king in New York (1957) Weeping Willow
13. A Countess from Hong Kong (1967)
14. The Reel Chaplin (Part 2)

CD 2: Chaplin by Davis
01. The Floorwalker (1916)
02. The Fireman (1916)
03. The Vagabond (1916)
04. One A.M. (1916)
05. The Count (1916)
06. The Pawnshop (1916)
07. Behind the Screen (1916)
08. The Rink (1916)
09. Easy Street (1917)
10. The Cure (1917)
11. The Immigrant (1917)
12. The Adventurer (1917)

</span></span></span></span></span>

publicado por mara* às 18:27 | link do post | comentar