sonny rollins

sonny rollinsSonny Rollins é uma lenda do jazz. Ele tocou com todos os gigantes da era moderna - Thelonious Monk, Clifford Brown, Max Roach, Miles Davis -, e estabeleceu-se como uma das vozes essenciais do saxofone tenor em 1950 e 1960. Assegurou o seu lugar no panteão do jazz com a sua rica, quase metálica sonoridade e sua técnica incrível. A suas músicas ‘Airegin’, ‘Pent-Up House’, ‘Oleo’, ‘St. Thomas’, tornaram-se clássicos. Sonny Rollins vai ficar na história não só como o único e mais duradouro saxofonista tenor da era do ‘bebop’, uma das correntes mais influentes do jazz cujo nascimento nos anos 40 é geralmente considerado um marco do começo do jazz moderno; e do ‘hard bop’, que sob certos aspectos, pode ser entendido como um desenvolvimento e uma radicalização do bebop, mas também o maior saxofonista de jazz contemporâneo de todos eles. Suas idéias harmonicamente inovadoras e o som facilmente identificável e acessível além de terem influenciado gerações de artistas, também alimentou a noção de que o jazz pode ser apreciado por todos.

Amplamente reconhecido como um dos músicos de jazz mais importantes e influentes da era pós-bebop, Theodore Walter Rollins nasceu em Nova York, em 1930, e tinha um irmão mais velho que tocava violino. Aos nove anos tinha aulas de piano, mas desistiu quando conheceu o saxofone e migrou para o tenor ainda na escola. A sua carreira começou com 11 anos tocando em locais públicos e antes de atingir os 20 anos já tocava com o legendário pianista Thelonious Monk. Encantado com a música de Charlie Parker e Coleman Hawkins, comprou seu primeiro sax tenor em 1946. Em 1948 gravou com o vocalista Babs Gonzales, em seguida, com o pianista Bud Powell e o trompetista Fats Navarro, e sua primeira composição, ‘Audubon’ foi gravada pelo trombonista Jay Jay Johnson. Em 1950, foi preso por roubo, cumpriu dez meses de uma sentença de três anos. Dois anos depois, foi preso ao usar heroína, violando os termos da sua liberdade condicional. Freqüentou uma instituição para viciados até que sanasse completamente o seu vício. Logo depois, Rollins fez parte dos grupos liderados pelo baterista Art Blakey, pelo pianista Tadd Dameron, pelo baterista de Chicago, Ike Day. E começou a construir seu próprio nome quando gravou com Miles Davis em 1951 seguido por suas próprias gravações com o trompetista Kenny Dorham e os pianistas Kenny Drew e Thelonious Monk.

sonny rollins e coleman hawkins

Sonny Rollins e Coleman Hawkins

Em 1956, Sonny Rollins fez o seu maior movimento dentro do cenário musical, juntando-se ao famoso conjunto do baterista Max Roach e do trompetista Clifford Brown. No mesmo ano, gravou seu aclamado álbum ‘Saxophone Colossus’ com talvez o seu maior sucesso, ‘St. Thomas’, música baseada numa canção em estilo caribenho, o calipso, que a sua mãe costumava cantar quando o compositor era criança. Em 1957 formou o seu próprio trio sem piano com os baixistas Wilbur Ware ou Donald Bailey e com os bateristas Elvin Jones ou Pete La Roca. Ele foi pioneiro ao usar somente baixo e bateria como acompanhamento para seus solos de saxofone, textura que veio a ser conhecida como ‘strolling’. E gravou nesse formato os álbuns ‘Way Out West’ e ‘A Night at the Village Vanguard’. Os prêmios vieram pelas revistas ‘Down Beat’ e ‘Playboy’ e as gravações foram feitas principalmente para os rótulos ‘Prestige’ e ‘Riverside’, mas também para outras gravadoras coincidindo com o aumento da sua popularidade. John Coltrane ainda não era uma figura notória e Rollins era o principal saxofonista de jazz moderno existente. Em 1958 gravou uma extensa peça para saxofone, baixo e bateria: ‘The Freedom Suite’ deixando explícita a intenção sócio-política da peça. Entre 1959 e 1961, ele procurou um caminho mais espiritual ao visitar o Japão e a Índia.

sonny rollins

Em 1962 o maior saxofonista tenor vivo retornou e gravou até 1964 algumas de suas mais emocionantes canções, mas estranhamente negligenciadas. Era um tempo incrivelmente experimental em jazz e as sondagens de Rollins foram intensas. Apenas alguns anos antes, Miles Davis tinha quebrado a opressão do seu mentor Charlie Parker, John Coltrane orbitando em reflexões vasculhou cada acorde para alguma nova expressão e Ornette Coleman soprou e estabeleceu a estrutura completamente nova. Houve empolgação e o estilo de Coleman de free jazz foi chamado de ‘the new thing’. E uma súbita mania de ritmos latinos foi apelidada de ‘bossa nova’. Nesta atmosfera de laboratório, no auge de sua força e popularidade, Sonny Rollins, frustrado com o que ele concebia como limitação musical devido à pressão da indústria fonográfica, desistiu. E o seu exílio assumiu uma aura mística depois que um repórter de uma revista, em uma noite, o viu na ponte Williamsburg tocando o seu saxofone e publicou um artigo sobre o espetáculo. Enquanto preparava o seu regresso à cena do jazz, a RCA ofereceu-lhe um contrato com a condição de que seu primeiro álbum chamasse ‘The Bridge’ que gravou com o guitarrista Jim Hall. Alguns consideraram esse novo Rollins conservador, até mesmo indigesto.

sonny rollins

Gravou com o seu herói Coleman Hawkins, e mais uma vez frustrado saiu de cena novamente em 1968 para estudar yoga, meditação e filosofia oriental. Em 1971 ele voltou com um renovado sentimento de vigor e orgulho e aproximou-se dos estilos do R&B, do pop e do funk. Ao longo das décadas de 70, 80 e 90 os seus grupos possuíam guitarra e baixo elétricos e as bateristas orientadas ao pop ou ao funk. Durante esse período Rollins tornou-se notório por seus solos de saxofone sem acompanhamento. Embora suas gravações nestas décadas não fossem aclamadas quanto as primeiras Sonny Rollins continuou famoso por suas apresentações ao vivo. Em 2004 foi premiado com um Grammy pelo conjunto de sua obra. Em 2005, após cinco anos, voltou ao estúdio para gravar ‘Sonny, Please’, título que advém de uma das frases favoritas de sua última esposa.

sonny rollins - blue seven


‘Saxophone Colossus’ é um dos mais aclamados álbuns de Sonny Rollins. Gravado e lançado em 1956, é considerado uma obra prima, um dos maiores álbuns lançados pela ‘Prestige Records’ e foi premiado pela ‘The Penguin Guide to Jazz’. Uma obra de referência acompanhada pelo pianista Tommy Flanagan, do baixista Doug Watkins, e do baterista Max Roach. Com cinco faixas, três das quais são creditadas a Rollins: a versão de ‘St. Thomas’, uma música tradicional que já tinha sido gravado por Randy Weston, em 1955, sob o título ‘Fire Down There’ e que se tornou um standard do jazz, e é a mais famosa versão gravada; ‘You Don't Know What Love Is’ que foi dado um tratamento lírico por Rollins; ‘Strode Rode’ num dueto notável entre Rollins e Doug Watkins no baixo. A música tem o nome do Hotel Strode em Chicago, em homenagem ao trumpetista Freddie Webster, que morreu ali. O segundo lado do disco original tem: ‘The Threepenny Opera’ de Bertolt Brecht e Kurt Weill, mais conhecida como ‘Mack the Knife’ e aqui chamada de ‘Moritat’; e por fim, ‘Blue Seven’ cujo desempenho é uma das mais aclamadas de Sonny Rollins e que praticamente define o seu estilo musical. Também é extraordinário o solo de Max Roach, mais tarde imitado pelo saxofonista. Sonny Rollins gravou muitas sessões memoráveis durante 1954-1958, mas ‘Saxophone Colossus’ é indiscutivelmente o melhor deles.

Um dos grandes tenores do jazz, é ouvido no seu auge em ‘A Night At The Village Vanguard’ com Ware Wilbur ou Donald Bailey no baixo e Elvin Jones ou Pete La Roca na bateria, em versões criativas.

sonny rollins - saxophone colossus (1956)    sonny rollins - a night at the village vanguard (1957)

Saxophone Colossus (1956)

A Night at the Village Vanguard (1957)
CD 1    CD 2

Saxophone Colossus
Personnel: Sonny Rollins (tenor sax); Tommy Flanagan (piano); Doug Watkins (bass); Max Roach (drums)
Tracklist: 01. St. Thomas 02. You Don't Know What Love Is 03. Strode Rode 04. Moritat 05. Blue Seven

A Night at the Village Vanguard
Personnel: Sonny Rollins (tenor sax); Donald Bailey (bass - on CD1 track 1); Wilbur Ware (bass); Pete La Roca (drums - on CD1 track 1); Elvin Jones (drums)Tracklist CD 1: 01. A Night In Tunisia 02. I've Got You Under My Skin 03. A Night in Tunisia (Evening Take) 04. Softly As In A Morning Sunrise (Alternate Take) 05. Four 06. Introduction 07. Woody 'N' You 08. Introduction 09. Old Devil Moon
Tracklist CD 2: 01. What Is This Thing Called Love 02. Softly As In A Morning Sunrise 03. Sonnymoon For Two 04. I Can't Get Started 05. I'll Remember April 06. Get Happy 07. Striver's Row 08. All The Things You Are 09. Get Happy (Short Version)

Em ‘Complete Capitol, Savoy & Blue Note Feature Recordings’, Sonny Rollins é um sideman desde 1949, antes de sua estréia como líder. Os três grupos exibidos aqui são do vocalista de bebop Babs Gonzales, do trombonista JJ Johnson e do pianista Bud Powell. O mais incrível é que Rollins foi capaz de passar de uma banda para outra em apenas um ano. Bud Powell contou com um saxofonista jovem dando peso à sua banda e tocando em seus solos. Com Johnson, a interação harmônica foi brilhante e com Gonzales, a confiança de Rollins nos solos começou a crescer a ponto dos outros instrumentos serem meros coadjuvantes. Um belo álbum com todas as etapas de desenvolvimento em sua carreira.

‘East Broadway Run Down’ é o último álbum de Sonny Rollins antes que as pressões da indústria o levassem a tomar a decisão de ficar sem gravar por seis anos. O álbum representa uma de suas mais notáveis experiências no estilo free jazz.

Sonny Rollins - Complete Capitol, Savoy & Blue Note Feature Recordings (2001)    sonny rollins - east broadway run down (1966)

Complete Capitol, Savoy & Blue Note Feature Recordings (2001)

East Broadway Run Down (1966)

Complete Capitol, Savoy & Blue Note Feature Recordings
Tracklist: 01. Capitolizing (B. Gonzales) 02. Professor Bop (B. Gonzales) 03. Audobon (Audobahn) (S. Rollins) 04. Don't Blame Me (Fields-McHugh) 05. Goof Square (S. Rollins) 06. Bee Jay (J.J. Johnson) 07. St. Louis Blues (W.C. Handy) 08. Real Crazy (B. Gonzales) 09. Then You'll Be Boppln' Too (B. Gonzales) 10. When Lovers They Lose (B. Gonzales) 11. Bouncing with Bud (B. Powell) 12. Wail (B. Powell) 13. Dance of the Infidels (B. Powell) 14. 52nd Street Theme (T. Monk) 15. Audobon (alt.-1) 16. Goof Square (alt.-2) 17. Goof Square (alt.-4) 18. Bee Jay (alt.-3) 19. Bouncing with Bud (alt.-0) 20. Bouncing with Bud (alt.-1) 21. Wail (alt.-0) 22. Dance of the Infidels (alt.-0)

East Broadway Run Down
Personnel: Sonny Rollins (tenor sax); Freddie Hubbard (trumpet); Jimmy Garrison (bass); Elvin Jones (drums)
Tracklist: 01. East Broadway Run Down 02. Blessing in Disguise 03. We Kiss in a Shadow

Sete CDs em ordem cronológica de todas as gravações de Sonny Rollins para a ‘Prestige Record’, uma influente gravadora de jazz fundada em 1949, pelo ainda adolescente Bob Weinstock. As gravações são a partir de 1951-1956, com desempenhos valiosos que se tornaram essenciais no jazz. Além de suas próprias sessões a coleção contém a única gravação que Sonny Rollins fez com John Coltrane, ‘Tenor Madness’. Entre os músicos participantes estão o vocalista Earl Coleman; os trombonistas JJ Johnson e Bennie Green; os trompetistas Kenny Dorham e Clifford Brown, os pianistas John Lewis, Kenny Drew, Horace Silver, Elmo Hope, Ray Bryant, Red Garland, e Tommy Flanagan; os bateristas Max Roach, Roy Haynes, Art Blakey e Philly Joe Jones; o ‘Modern Jazz Quartet’; Julius Watkins na trompa; Jackie McLean no sax alto, e até mesmo Charlie Parker. Entre os muitos destaques estão as versões originais das composições ‘Airegin’, ‘Oleo’, ‘Doxy’, ‘St. Thomas’ e ‘Blue 7’, músicas essenciais no jazz.

The Complete Prestige Recordings (1992)

The Complete Prestige Recordings (1992)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4    CD 5    CD 6    CD 7

Tracklist CD 1
01. Elysee 02. Opus V 03. Hilo 04. Fox Hunt 05. Morpheus 06. Down 07. Blue Room (take 1) 08. Whispering 09. I Know 10. Conception 11. Out of the Blue 12. Denial 13. Bluing 14. Dig 15. My Old Flame 16. It's Only a Paper Moon

Tracklist CD 2
01. Time on My Hands 02. Mambo Bounce 03. This Love of Mine 04. Shadrack 05. On a Slow Boat to China 06. With a Song in My Heart 07. Scoops 08. Newk's Fadeaway 09. Compulsion 10. Serpent's Tooth, The (take 1) 11. Serpent's Tooth, The (take 2) 12. 'Round About Midnight 13. In a Sentimental Mood 14. Stopper 15. Almost Like Being in Love 16. No Moe 17. Think of One (take 1) 18. Think of One (take 2)

Tracklist CD 3
01. Let's Call This 02. Friday the 13th 03. Soft Shoe 04. Confab in Tempo 05. I'll Take Romance 06. Airegin 07. Oleo 08. But Not For Me (take 1) 09. But Not For Me (take 2) 10. Doxy 11. Movin' Out 12. Swingin' For Bumsy 13. Silk 'N' Satin 14. Solid

Tracklist CD 4
01. I Want to Be Happy 02. Way You Look Tonight 03. More Than You Know 04. There's No Business Like Show Business 05. Paradox 06. Raincheck 07. There Are Such Things 08. It's All Right With Me 09. In Your Own Sweet Way 10. No Line 11. Vierd Blues

Tracklist CD 5
01. I Feel a Song Coming On 02. Pent-up House 03. Valse Hot 04. Kiss and Run 05. Count Your Blessings 06. My Reverie 07. Most Beautiful Girl in the World 08. Paul's Pal 09. When Your Lover Has Gone 10. Tenor Madness

Tracklist CD 6
01. You Don't Know What Love Is 02. St. Thomas 03. Strode Rode 04. Blue 7 05. Moritat 06. I've Grown Accustomed to Her Face 07. Kids Know 08. House I Live In

Tracklist CD 7
01. I Remember You (I) 02. My Melancholy Baby (II) 03. Old Folks (III) 04. They Can't Take That Away From Me (IV) 05. Just Friends (V) 06. My Little Suede Shoes (VI) 07. Star Eyes (VII) 08. B. Swift 09. My Ideal 10. Sonny Boy 11. Two Different Worlds 12. Ee-Ah 13. B. Quick

Depois de várias gravações incríveis para a ‘Prestige Records’, Rollins passou a utilizar a ‘Blue Note’ para uma série de gravações de estúdio e ao vivo. Embora não tão inovadores quanto seus trabalhos anteriores, os álbuns Volume 1 e 2 gravados no estúdio de Rudy Van Gelder, engenheiro de gravação especializado em jazz, ainda se destacam entre as muitas versões hard bop.

sonny rollins - blue note volume one (1956)    sonny rollins - blue note volume two (1957)

Volume One (1956)    |    Volume Two (1957)

Volume One
Personnel: Sonny Rollins (tenor sax); Donald Byrd (trumpet); Wynton Kelly (piano); Gene Ramey (bass); Max Roach (drums)
Tracklist: 01. Decision 02. Bluesnote 03. How Are Things In Glocca Morra 04. Plain Jane 05. Sonnysphere

Volume Two
Personnel: Sonny Rollins (tenor sax); J.J. Johnson (trombone); Horace Silver (piano); Thelonious Monk (piano); Paul Chambers (bass); Art Blakey (drums)Tracklist: 01. Why Don't I? 02. Wail March 03. Misterioso 04. Reflections 05. You Stepped Out Of A Dream 06. Poor Butterfly

tags:
publicado por mara* às 06:38 | link do post | comentar