the ultimate jazz archive: swing to bebop 24

posts relacionados
the ultimate jazz archive: blues

the ultimate jazz archive: boogie woogie</span>
the ultimate jazz archive: swing to bebop, modern jazz
the ultimate jazz archive: big bands
the ultimate jazz archive: vocalists


eddie 'lockjaw' davis

Eddie ‘Lockjaw’ Davis (1922 - 1986), nascido Edward Davis, foi saxofonista tenor e tocou com o trompetista Cootie Williams, com o bandleader Lucky Millinder, com o saxofonista Andy Kirk, com o trompetista Louis Armstrong e com o pianista, maestro e compositor Count Basie, bem como com as suas próprias bandas e fez muitas gravações como líder. Eddie tocou nos gêneros swing, bop, hard bop, jazz latino e soul jazz. Algumas de suas gravações da década de 40 também podem ser classificadas como rhythm and blues. Sua banda de 1946, ‘Eddie Davis and His Beboppers’, era constituída pelo trompetista Fats Navarro, pelo pianista Al Haig, pelo cantor Huey Long, pelo baixista Gene Ramey e pelo baterista Denzil Best. Na década de 50 ele tocou com o saxofonista Sonny Stitt, enquanto em 1960-1962 o seu parceiro foi o saxofonista tenor Johnny Griffin e liderou um quinteto. Nos anos 60, Davis e Griffin também fizeram parte de ‘The Band Kenny Clarke-Francy Boland Big’, uma das mais notáveis bandas de jazz, juntamente com outros, principalmente músicos europeus. Em seus últimos anos, muitas vezes Eddie gravou com o trompetista Harry ‘Sweets’ Edison e permaneceu como solista até à sua morte aos 65 anos. Eddie ‘Lockjaw’ Davis foi um músico que forneceu uma ligação a partir da era big band e o fenômeno soul jazz dos anos 50 e 60. E foi pioneiro em combos constituídos por sax e órgão. Entre 1955-60 ele excursionou e gravou com a organista Shirley Scott. Depois que Scott deixou a banda, Davis nunca mais retornou ao som de órgão e sax tenor, apesar de seu sucesso com ele. Eddie Lockjaw Davis era um saxofonista tenor da velha escola, e seu legado sobrevive em suas vastas gravações e memoráveis performances ao vivo, quando ele dominou o palco.



 lennie tristano

Lennie Tristano (1919 - 1978), nascido Leonard Joseph Tristano foi pianista, compositor e professor de improvisação do jazz. Ele se apresentou nos gêneros cool jazz, bebop, post bop e avant-garde. Lennie Tristano continua a ser uma figura um tanto esquecida na história do jazz, mas sua enorme originalidade e deslumbrante trabalho como improvisador têm sido muito apreciado por experientes fãs de jazz. Além disso, seu trabalho como professor exerceu uma influência substancial no jazz através de figuras como Lee Konitz e Bill Evans. Tristano nasceu em Chicago em uma família de imigrantes italianos. Cego desde a infância estudou piano e teoria musical desde a adolescência, graduando-se como bacharel em 1943. O seu interesse por jazz o fez mudar para New York em 1946 e sua avançada compreensão de harmonia o empurrou até às complexidades do bebop. Embora Tristano sempre foi explícito a respeito de reconhecer a sua enorme dívida para com Charlie Parker e Bud Powell outros ingredientes fundamentais em seu estilo eram Nat King Cole e Art Tatum, influência mais audível em suas primeiras gravações. Tristano tocou e gravou com figuras proeminentes do bebop, tais como Dizzy Gillespie e Charlie Parker. Entre as suas mais importantes gravações foi uma sessão com um sexteto em 1949 com seus alunos, os saxofonistas Lee Konitz e Warne Marsh. Depois de gravar uma série de composições estruturadas convencionalmente, Tristano gravou ‘Intuition’ e ‘Digression’, peças completamente improvisadas e freqüentemente citadas como os primeiros exemplos registrados de free jazz ou livre improvisação. Tristano lançou dois álbuns importantes na Atlantic Records: ‘Lennie Tristano’ de 1955, famoso por incluir experiências inovadoras em ‘Requiem’ e ‘Turkish Mambo’. ‘Requiem’ é uma homenagem ao falecido Charlie Parker, e é notável por seu sentimento de profundo blues, um estilo que não é geralmente associado à Tristano. E o álbum ‘The New Tristano’ de 1962 que continua a ser um marco do piano solo no jazz. Cada vez mais raras as apresentações públicas fez com que suas gravações se tornassem escassas, e muitas delas são gravações de concertos. Algumas de suas apresentações ao vivo foram gravadas e liberadas, incluindo as do ‘Half Note Club’ em Nova York da década de 50, e shows na Europa dos anos 60. Tristano foi um dos primeiros músicos a iniciar sua própria gravadora, a ‘Jazz Records’, que ainda existe e é dirigida por sua filha, a baterista Carol Tristano. Por meados dos anos 50, Tristano concentrava-se mais em educação musical. E ele pode ser considerado como um dos primeiros professores a ensinar o jazz de uma forma estruturada, começando no final de 1940 e continuando até a sua morte em 1978. Tristano ensinava cada aluno individualmente e, portanto, as aulas eram estruturadas para atender as necessidades de cada indivíduo, e cada um foi desafiado de forma a encontrar e expressar seus sentimentos musicais, ou de estilo. Muitas vezes os seus alunos aprendiam a cantar e tocar os improvisados solos de alguns dos mais conhecidos nomes do jazz, incluindo Louis Armstrong, Lester Young, Billie Holiday, Charlie Parker e Bud Powell a partir de gravações originais. Mas, Tristano salientava que o aluno não estava aprendendo a imitar o artista, mas sim a usar a experiência sobre o sentimento musical transmitido pelo artista. Uma das principais ferramentas de ensino utilizados por Tristano foi o metrônomo. Ao praticar fundamentos como escalas e desenvolver uma forte consciência da batida foi um elemento chave de sua filosofia de ensino. O livro ‘Jazz Visions: Lennie Tristano and His Legacy’ lançado pelo baixista Peter Ind, em 2005, documenta e discute contribuições de Tristano ao jazz.



thelonious monk

Thelonious Monk (1917 - 1982), compositor e pianista e considerado um dos mais importantes músicos do jazz era famoso por seus improvisos de poucas e boas notas. Preciso, fazia com duas ou três notas o que outros pianistas faziam com nove ou dez. Cada nota entrava perfeitamente no contexto da música, numa mistura melódica e rítmica. Somente notas necessárias e muito bem trabalhadas. Monk tinha um estilo único, tocava encurvado, com uma má postura, além de seu dedilhado ruim, com os dedos rígidos, que ficavam perfeitamente eretos e batiam nas teclas tal qual uma baqueta faria em um tambor. Excêntrico, não era muito bem visto pela crítica da época, porém era unanimidade entre os jazzistas. Compunha melodias e criava ritmos nada comuns. Compôs vários temas que hoje são considerados standards. Apesar de ser lembrado como um dos fundadores do bebop, seu estilo, com o passar do tempo, evoluiu para algo único, próprio, com harmonias dissonantes, com abruptos ataques ao piano e uso de silêncios e hesitações. Thelonious Sphere Monk nasceu na Carolina do Norte, EUA. Em 1922, sua família se mudou para Manhattan, New York. Monk começou a tocar piano aos nove anos de idade e apesar de ter tido aulas formais era, essencialmente, um auto didata. Monk dizia ser influenciado por Duke Ellington e James P. Johnson. Sua técnica desenvolveu-se muito quando participava de competições que reuniam os grandes solistas de jazz da época no ‘Minton Playhouse’, clube e bar localizado no primeiro andar do Hotel Cecil, no Harlem, e fundado pelo saxofonista tenor Henry Minton. A cena musical desenvolvida no Minton foi essencial para a criação do bebop e aproximou Monk de outros grandes nomes desse estilo, como Dizzy Gillespie, Charlie Christian, Kenny Clarke, Charlie Parker e, mais tarde, Miles Davis.

Em 1944, Monk fez sua primeira gravação de estúdio com o quarteto de Coleman Hawkins, um dos primeiros músicos a confiar no talento de Monk, tendo este retribuído o favor anos depois ao convidar Hawkins para uma sessão em 1957 com John Coltrane. Monk sempre é descrito como um homem excêntrico, peculiar. Era conhecido pelo seu característico estilo hipster, um movimento que despreza tudo o que está na moda, tudo o que é comercial e tudo o que a maior parte da população ouve. Monk e Dizzy Gillespie são imagens emblemáticas da cultura hipster dos anos 40 e 50 e por ter desenvolvido um estilo único. Monk era também famoso por emitir aforismos impenetráveis e por permanecer em longos períodos de muda abstração, para diversão e perplexidade dos que o rodeavam. Há uma gravação famosa de ‘The Man I Love’ em que Miles Davis perde a paciência com um longo intervalo silencioso num solo de Monk e entra no meio, como se quisesse acordar o pianista. O documentário ‘Thelonious Monk: Straight, No Chaser’ de 1989, produzido por Clint Eastwood e dirigido por Charlotte Zwerin, atribui seu estranho comportamento a doenças mentais. Não há notícias de diagnósticos oficiais, mas Monk várias vezes ficava muito animado por dias e, aos poucos, parava de falar e recolhia-se. Alguns culpam o comportamento de Monk pelo uso inadvertido de drogas como LSD e peiote. Outros clínicos sustentam que Monk foi mal-diagnosticado e lhe foram dados medicamentos que causaram-lhe sérios danos cerebrais. Monk desapareceu no meio dos anos 70, fazendo poquíssimas apresentações em sua última década de vida. Com sinais de depressão e péssimo estado de saúde, Monk, então, passou seus últimos seis anos de vida na casa de sua velha patrocinadora e amiga, a Baronesa Nica de Koenigswarter, que cuidara também de Charlie Parker durante sua última doença. Monk não tocou piano nesse período, apesar de haver um em seu quarto, e falou com pouquíssimas pessoas. Por fim, sofreu um AVC e morreu. Monk compôs ao longo de sua vida apenas 71 temas. Ainda assim, é considerado um dos poucos grandes compositores do jazz. Muitas de suas obras são referências pela sua brilhante, única e, muitas vezes, bizarra forma de linguagem em relação ao jazz clássico, o chamado padrão. Desde sua morte, sua música vem sendo descoberta por um público maior e é sempre posto ao lado de grandes nomes do jazz, como Miles Davis, John Coltrane e Bill Evans.



fats navarro

Fats Navarro (1923 - 1950), nascido Theodore Navarro foi trompetista e um dos pioneiros do bebop, e do jazz de improvisação, nos anos 40. A sua carreira foi de curta duração, mas teve influência em vários músicos, como Clifford Brown. Fats Navarro nasceu na Flórida, filho de pais de origem cubana e chinesa. Começou a tocar piano com 6 anos, e trompete aos 13. Terminou os seus estudos com 17 anos, e juntou-se a grupos de dança, dando concertos no centro-norte dos EUA. Após tocar com várias bandas, e com experiência, Navarro decidiu ficar em New Yorl, em 1946, e é nesta cidade que a sua carreira realmente se iniciou. Tocou, entre outros, com Charlie Parker. O seu virtuosismo, que rivalizava com Dizzy Gillespie, deu-lhe a oportunidade de tocar com Kenny Clarke, Dexter Gordon, Coleman Hawkins, Benny Goodman, Bud Powell, e Tadd Dameron. A sua origem cubana, e consequente a capacidade de falar a língua espanhola, levaram-no a tocar em clubes latinos de New York, e a gravar músicas com essa influência como ‘Jahbero’, ‘Casbah’ ou ‘Stop’, esta última composta pelo saxofonista tenor, Don Lanphere. Com problemas de saúde agravada pela tuberculose e obesidade, Navarro tornou-se consumidor de heroína. E lentamente, acabou por falecer com apenas 26 anos.




the ultimate jazz archive 24

intuition
lennie tristano




24-1: Eddie 'Lockjaw' Davis (1946-1948)

Tracklist
01. Surgery 02. Lockjaw 03. Afternoon In A Doghouse 04. Athlete's Foot 05. Callin' Dr Jazz 06. Fracture 07. Hollerin' And Screming 08. Stealing Trash 09. Just a Mystery 10. Red Pepper 11. Spinal 12. Maternity 13. Licks A Plenty 14. Foxy 15. Sheila 16. Real Gone Guy 17. But Beautiful 18. Leapin' on Lenox 19. Raven' At The Haven 20. Minton's Madhouse 21. Huckle Bug 22. Music Goes Down Around 23. Lockjaw's Bounce


24-2: Lennie Tristano (1946-1949)

Tracklist
01. Out On A Limb 02. I Can't Get Started 03. I Surrender Dear 04. Interlude (Night In Tunisia) 05. Blue Boy 06. Atonement 07. Colin' Off With Ulanov 08. Supersonic 09. On A Planet 10. Air Pocket 11. Celestia 12. Progression 13. Subconscious-Lee 14. Retrospection 15. Judy 16. Wow 17. Crosscurrent 18. Yesterdays 19. Marionette 20. Sax Of A Kind 21. Intuition 22. Disgression


24-3: Thelonious Monk (1947)

Tracklist
01. Humph 02. Evonce 03. Suburban eyes 04. Thelonious 05. Epistrophy 06. Evidence 07. Mysterioso 08. Nice work if you can get it 09. Ruby my dear 10. Well you needn't 11. April in Paris 12. Off minor 13. Introspection 14. In walked bud 15. Monk's mood 16. Who knows 17. 'Round midnight 18. Four in one 19. Four in one (alternate take) 20. Eronel 21. Stright no chaser 22. Willow weep for me 23. Ask me now


24-4: Fats Navarro (1947-1949)

Tracklist
01. The Chase 02. The Squirrel 03. Our Delight3 04. Dameronia 05. A Bebop Carol 06. The Tadd Walk 07. Gone With the Wind 08. That Someone Must Be You 09. Nostalgia 10. Barry's Bop 11. Bebop Romp 12. Fats Blows 13. Jahbero 14. Lady Bird 15. Symphonette16 . I Think I'll Go Away 17. Sid's Delight 18. Casbah



</span>
publicado por mara* às 14:03 | link do post | comentar