blue note records

blue note records logoA ‘Blue Note Records’ é uma gravadora norte-americana de jazz fundada em 1939 por Alfred Lion. O seu nome tem origem no termo de jazz e blues, blue note, que é uma nota musical que provém das escalas usadas nas canções de trabalho praticadas pelos povos afro-americanos. A característica musical resultante imprime um caráter de lamento à música podendo considerar-se que tenha surgido como uma consequência da dureza do trabalho nos campos. Consiste em criar uma nota que não consta na escala diatônica tradicional. Esta herança escalar migrou mais tarde para o universo jazzístico. A 'Blue Note Records' esteve desde cedo mais associada ao estilo 'hard bop', um gênero influenciado pelo rhythm and blues, gospel e blues, que desenvolveu-se durante as décadas de 1950 e 1960. Mas, a gravadora incluia também bebop, soul, blues, rhythm and blues e gospel. Horace Silver, Jimmy Smith, Freddie Hubbard, Lee Morgan, Art Blakey e Grant Green estavam entre os principais artistas da editora. Após a 2ª Guerra Mundial, no entanto, quase todos os músicos mais importantes gravariam para a 'Blue Note'.

Em 1925, aos 16 anos, Alfred Lion notou um cartaz de concertos para orquestra que aconteceria perto do seu local favorito de patinação no gelo em sua nativa Berlim, na Alemanha. Ele tinha ouvido muitos discos de jazz de sua mãe e começou a se interessar pela música, mas naquela noite do concerto a sua vida mudou. O impacto do que ouviu tocado ao vivo explodiu dentro dele como uma paixão e o fez partir para Nova York em 1928 onde trabalhou nas docas e dormiu no Central Park para chegar mais perto da música que tanto amava. Em 1938, Lion foi ver o concerto ‘Spirituals to Swing’ no Carnegie Hall. O poder e a beleza do piano ‘boogie woogie', um estilo de blues, caracterizado pelo uso sincopado da mão esquerda ao piano, dos mestres Albert Ammons e Meade Lux Lewis balançou e apoderou-se de sua alma. Exatamente duas semanas depois trouxe os dois pianistas para um estúdio de Nova Iorque para fazer algumas gravações. Eles se revezavam ao piano e a longa sessão terminou com dois duetos impressionantes. A ‘Blue Note Records’ finalmente tornou-se uma realidade e Alfred Lion construiu uma das maiores empresas de registro musical de jazz do mundo.

blue note records sede

Blue Note Records

No final de 1939, o seu amigo de infância Francis Wolff saiu da Alemanha de Hitler com destino aos Estados Unidos. Ele encontrou emprego em um estúdio fotográfico e juntou forças com Alfred Lion no projeto ‘Blue Note’. No final dos anos 1940, o jazz havia mudado novamente, e Lion e Wolff já não podiam resistir mais ao movimento do bebop, uma das correntes mais influentes do jazz. O saxofonista Ike Quebec tornou-se um amigo íntimo e conselheiro para os dois. Logo eles estavam gravando Fats Navarro, Bud Powell, Tadd Dameron, Thelonious Monk, Art Blakey, entre outros. Lion e Wolff eram especialmente fascinados por Thelonious Monk e ajudaram a sua carreira em todos os sentidos possíveis. Apesar da resistência dos críticos musicais e das vendas fracas, eles gravaram com ele até 1952. O caso de Monk foi o primeiro grande exemplo do que Horace Silver descreveu em uma entrevista de 1980: 'Alfred Lion e Frank Wolff eram homens de integridade e realmente fãs de jazz. Deram a vários músicos a chance de gravar quando todas as outras gravadoras não estavam interessadas. E eles apoiavam o artista, mesmo que ele não estivesse vendendo quase nada.'

blue note records - Dexter Gordon Alfred Lion & Francis Wolff

Alfred Lion, Dexter Gordon & Francis Wolff

Em 1954, a ‘Blue Note’, partiu em direção a um sistema que foi muito semelhante a uma companhia de teatro usando um elenco de 'sidemen', músicos profissionais contratados para executar ou gravar com um grupo do qual não era um membro regular; e líderes que assegurassem a criatividade e a confiabilidade. Logo depois a gravadora colocou em movimento uma outra tendência do jazz. Seguindo o conselho de Babs Gonzales e outros músicos, Alfred Lion e Frank Wolff se aventuraram a ouvir um pianista da Filadélfia, que tinha abandonado o seu instrumento original e agora tocava um órgão Hammond no canto de um armazém alugado. E assim ouviram pela primeira vez Jimmy Smith em 1956, no seu primeiro show em Nova York. Descrito por Alfred como uma visão impressionante, um homem de rosto contorcido, agachado sobre o teclado em agonia aparente, os dedos em vôo e os pés que dançavam sobre os pedais. Um som que ele nunca tinha ouvido antes. Foi estarrecedor. Ao mesmo tempo, Wolff conheceu Reid Miles, um artista comercial, que era um devoto fã de música clássica. Miles se tornou o designer para o selo por 11 anos e criou gráficos maravilhosos para as capas dos discos. Os detalhes fizeram a diferença.

Na década seguinte a ‘Blue Note’ passou para um patamar mais elevado na indústria fonográfica. Com álbuns que foram sucessos inesperados, que tiveram longas estadias nas paradas pop além de continuar a sua tradição 'hard bop'. Alfred Lion permaneceu até meados de 1967, quando problemas de saúde o forçaram a se aposentar. Frank Wolff e Duke Pearson dividiram as tarefas de produção, mas o jazz foi se movendo para um novo ciclo de tempos difíceis, economicamente e artisticamente. A cena não fornecia um ambiente no qual poderia nutrir jovens talentos e se perpetuar. Frank Wolff se afastou da ‘Blue Note’ até sua morte em 1971. A gravadora conseguiu sobreviver através de um programa de reedições e material inédito. Esse programa sobreviveu até 1981. Em meados de 1984, foi contratado Bruce Lundvall para ressuscitar a etiqueta. E a ‘Blue Note’ renasceu.

kenny burrell - midnight blue


blue instrumentalists guitar (2006)    blue instrumentalists piano (2006)    blue instrumentalists saxophone (2006)

Blue Instrumentalists
Guitar (2006)    |    Piano (2006)    |    Saxophone (2006)

Tracklist: Blue Instrumentalists - Guitar
01. Grant Green - My Favorite Things 02. Kenny Burrell - Swingin' 03. Tal Farlow Quartet - Splash 04. Kevin Eubanks - Mercy Mercy Mercy 05. Pat Martino - All Blues 06. Grant Green - Speak Low 07. Stanley Jordan - Cousin Mary 08. Bireli Lagrene - Softly As In A Morning Sunrise 09. Ronny Jordan - Mambo Inn 10. John Scofield - Fat Lip 11. Charlie Hunter - Rhythm Music Rides Again 12. Kenny Burrell - Midnight Blue

Tracklist: Blue Instrumentalists - Piano
01. Thelonius Monk - In Walked Bud 02. Bud Powell - Parisian Thoroughfare 03. Kenny Drew Trio - Lover Come Back To Me 04. Horace Silver - Metamorphosis 05. Wynton Kelly - I Found A New Baby 06. Sonny Clark - Speak Low 07. Gene Harris & The Three Sounds - Work Song 08. Horace Parlan - On The Spur Of The Moment 09. Andrew Hill - Venture Inward 10. Don Pullen - Jana's Delight 11. McCoy Tyner - Passion Dance12. Jason Moran - Kinda Dukish

Tracklist: Blue Instrumentalists – Saxophone
01. Lou Donaldson - Avalon 02. Hank Mobley - Ultra Marine 03. Johnny Griffin - It's All Right with Me 04. John Coltrane - Locomotion 05. Wayne Shorter - Yes Or No 06. Sonny Rollins - Why Don't I 07. Stanley Turrentine & The Three Sounds - Gee Baby, Ain't I Good To You 08. Greg Osby - Repay In Kind 09. Joe Henderson - Loose Change 10. Booker Ervin - Sweet Pea 11. Dexter Gordon - Devilette 12. Joe Lovano - Tadd's Delight

Como parte da celebração de setenta anos da ‘Blue Note Records’, em 2009, o selo convocou jovens e experientes estrelas do jazz para executar composições ‘hard bop’, estilo estreitamente identificado com a gravadora nos anos 50 até meados dos anos 60. E assim foi gravado ‘Mosaic’. Uma curiosa coleção. Uma viagem nostálgica por canções famosas. ‘Mosaic’ é um título perfeito, peças assimétricas estabelecidas de forma organizada, intrigante e desigual. O CD 1 foi produzido pelo pianista Bill Charlap e líder do ‘Blue Note 7’, um septeto de jazz formado em 2008. O grupo é constituído por Peter Bernstein (guitarra), Bill Charlap (piano), Ravi Coltrane (saxofone tenor), Lewis Nash (bateria), Nicholas Payton (trompete), Peter Washington (contrabaixo), e Steve Wilson (sax alto, flauta). Bill Charlap é o único membro do grupo que assinou com a gravadora. No entanto, Ravi Coltrane tem ligações familiares importante com a ‘Blue Note’. Seu legendário pai, John Coltrane, gravou apenas uma sessão para o rótulo, ‘Blue Train’, mas foi um grande sucesso. ‘Blue Note 7’ é muito bem conhecido na cena do jazz em Nova York. O CD 2 é constituído pelas mesmas músicas, mas são as originais produzidas por Alfred Lion e interpretadas pelos magníficos artistas contratados na época.

Mosaic: A Celebration of Blue Note Records (2009)

Mosaic: A Celebration of Blue Note Records (2009)
CD 1    CD 2

Tracklist CD 1: The Blue Note 7
01. The Blue Note 7 - Mosaic
02. The Blue Note 7 - Inner Urge
03. The Blue Note 7 - Search For Peace
04. The Blue Note 7 - Little B's Poem
05. The Blue Note 7 - Criss Cross
06. The Blue Note 7 - Dolphin Dance
07. The Blue Note 7 - Idle Moments
08. The Blue Note 7 - The Outlaw

Tracklist CD 2: The Original Sessions
01. Art Blakey & The Jazz Messengers - Mosaic
02. Joe Henderson - Inner Urge
03. McCoy Tyner - Search For Peace
04. Bobby Hutcherson - Little B's Poem
05. Thelonious Monk - Criss Cross
06. Herbie Hancock - Dolphin Dance
07. Grant Green - Idle Moments
08. Horace Silver Quintet - The Outlaw

tags:
publicado por mara* às 11:06 | link do post | comentar